A cinco dias do 'Dia D', veja o que se sabe sobre a vacinação em Niterói

Cidade se preparava para imunizar toda a população, mas Ministério da Saúde assumiu a distribuição das vacinas

Ministério da Saúde centralizou distribuição da vacina


A cinco dias do "Dia D e da Hora H" da vacinação, Niterói — assim como o Brasil — vive a incerteza de como será o processo de imunização. O Governo Federal anunciou que às 10h do dia 20 de janeiro, a vacina estará disponível no país, mas o fato é que a Anvisa ainda não aprovou nenhum dos dois imunizantes em análise para uso emergencial e há poucas vacinas prontas para aplicação. Enquanto isso, o município tenta se preparar para vacinar a população, sem saber nem mesmo quantas doses podem chegar à cidade.


Leia mais: Veja o avanço do número de mortes por Covid em Niterói


Há pouco mais de uma semana, Niterói ainda confiava no cumprimento do termo de intenção de compra da Coronavac diretamente do Butantan. O acordo havia sido firmado em dezembro entre o instituto e o ex-Prefeito Rodrigo Neves. Mas o Governo de São Paulo anunciou que toda a produção da vacina havia sido adquirida pelo Ministério da Saúde, frustrando os planos da atual gestão municipal e dos niteroienses de executar o plano de vacinação local de maneira ágil.


Mudança nos planos


Com a certeza de que a cidade receberia, em um curto espaço de tempo, mais de 1 milhão de doses da Coronavac, a Prefeitura planejava lançar um aplicativo para organizar a fila da vacinação e otimizar o processo de vacinação de toda a população. O esquema de drive-thru que foi usado na campanha contra a influenza, em março, também seria repetido e ampliado. Os dois planos foram descartados pela prefeitura, já que a distribuição da vacina deve ser mais lenta do que o previsto.


Distribuição simultânea


O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que o início da vacinação será simultâneo em todo o país, mas as capitais teriam prioridade. No entanto, o Governador em exercício Claudio Castro garante que assim que receber a vacina despacha para os municípios. Isso significa Niterói poderá ser contemplada no início da vacinação, ainda no dia 20.


Preparativos


Na tarde desta quinta-feira, a Prefeitura reiterou que está preparada para dar início à vacinação, que deve ser realizada em 100 pontos espalhados pela cidade. Em suas redes sociais, a administração municipal anunciou que tem "insumos necessários e equipes preparadas". A chegada da vacina, no entanto, ainda está rodeada de incertezas.


Prioridade


Em live nas redes sociais da Prefeitura, Axel Grael anunciou que num primeiro momento, receberão a vacina profissionais de Saúde e idosos que vivem em instituições de longa permanência, como casas de repouso e abrigos.


'Marca' da vacina


Como o Goveno Federal assumiu o controle de toda a distribuição da vacina, é o Ministério da Saúde que vai definir pra onde enviar os diferentes tipos de imunizantes. Sendo assim, Niterói pode receber tanto a Coronavac quanto a de Oxford, que foi produzida na Índia e deve chegar ao Brasil neste fim de semana.


Quantidade de doses


Pelas características da cidade, Niterói precisa de 200 mil doses de vacina para atender à demanda do grupo prioritário, composto por profissionais de saúde e idosos acima de 60 anos. No entanto, a quantidade que será disponibilizada para o município ainda é um mistério. Até o dia 20, o Brasil só deve ter 8 milhões de doses prontas, somando as da Coronavac/Butantan e da Astrazeneca/Fiocruz, o suficiente para imunizar 4 milhões de pessoas em todo o território nacional. Mas o público alvo na primeira fase é estimado em 15 milhões de brasileiros.


Prazo para vacinação


É impossível definir, nesse momento, o prazo final para a conclusão do Plano Nacional de Imunização. Niterói depende agora das esferas estadual e federal, que definirão como os imunizantes serão distribuídos. Também há um gargalo na produção de vacinas, que por ora está concentrada em apenas dois laboratórios. Especialistas acreditam que a vacinação de todo o país só deve terminar no segundo semestre de 2021. Isso significa que a pandemia só poderá ser considerada controlada no ano que vem.