No ano que não teve carnaval, a Acadêmicos do Sossego anuncia Rei de Bateria para o desfile de 2022

Escola do Largo da Batalha inova com Juarez Souza no posto em vez de uma Rainha de Bateria


Por Gabriel Gontijo

Juarez Souza posa na Pedra do Índio, na Praia de Icaraí, com figurino de Pedro Castelhano. Foto: Davidi Maldonado


Sem carnaval este ano por causa da pandemia, escolas de samba já planejam a festa de 2022. Pensando nisso, a Acadêmicos do Sossego anunciou uma novidade: em vez da tradicional Rainha de Bateria, a escola do Largo da Batalha terá um Rei de Bateria. O escolhido é Juarez Souza.


Com 35 anos e nascido em Fortaleza, no Ceará, Juarez é maquiador profissional de noivas e campanhas publicitárias. Acostumado a acompanhar os desfiles desde criança pela televisão ao lado da bisavó, torcedora da Portela, e das tias, todas mangueirenses, sempre sonhou em um dia poder desfilar na Sapucaí. Com parentes na cidade do Rio, começou a planejar desde então como trabalharia profissionalmente na folia.


- Ficava encantando com a grandiosidade do espetáculo, com o lúdico, com a felicidade estampada na cara das pessoas. Tenho familiares que moram no Rio há mais de 30 anos e quando eu tinha 15 anos já passava férias na casa deles.


Economias de adolescência ajudaram no primeiro desfile


Com a determinação de estrear no Sambódromo, ele passou todo o ano de 2008 juntando dinheiro para realizar o sonho no carnaval do ano seguinte. Após guardar todas "as economias de adolescente", ele comprou a passagem de avião de Fortaleza para o Rio e precisou ficar na casa de parentes por não ter como custear a hospedagem.


Com medo de imprevistos, Juarez chegou com quatro horas de antecedência à Avenida Marquês de Sapucaí com a fantasia no corpo. Desfilando pela Grande Rio, escola de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, ele relembra como foi sua estreia no carnaval carioca e conta a aventura que foi voltar para onde estava hospedado.


- Aquele corre-corre e eu perdido sem saber qual era a ala, fora o caminho para chegar que foi uma comédia. Eu, sem saber, já saí de casa quase todo fantasiado. Chegou a hora do desfile e estava muito emocionado, minha cabeça girava 360 graus querendo ver tudo ao redor, em êxtase. Na volta, às quatro da manhã, não tinha nem como ficar na arquibancada. Voltei de ônibus com um motorista maluco que voava e só Deus sabe como cheguei em casa - diverte-se ao recordar a cena.


Conhecendo a Sossego através de um amigo


Depois da estreia, ele participou de outros desfiles por várias escolas, como Mangueira, Tuiuti, Beija-flor, Mocidade, Império Serrano, União da Ilha, Renascer de Jacarepaguá e Salgueiro. Mas foi em 2020 que ele conheceu a agremiação niteroiense com um amigo, Michel Ravel, muso da Sossego.


Juarez conta que sempre ouvia falar muito bem da escola do Largo da Batalha e se encantou ao acompanhar o desfile da escola no ano passado, "com a vibração da comunidade, canto forte e organização na avenida". Foi aí que ele correu atrás do sonho de ser rei de bateria.


- Uma amiga, que também é da escola e que sabia do meu sonho de um dia vir à frente da bateria, disse que eu tinha que concretizar isso. Aquilo ficou martelando na minha cabeça e ela me deu todo gás, me incentivou, me deu apoio e fez com que todas as portas se abrissem e eu pudesse receber esse convite. E eu sou grato à Sossego pela abertura, pela atenção, pelo carinho que venho recebendo de todos, como o presidente Hugo, o Mestre Laion, o Morango, nossa porta-bandeira, e várias pessoas de outros segmentos também. Feliz demais com a atenção que estão tendo comigo - conta Juarez.


Amor por Niterói e o sonho de ser médico


Questionado sobre o que ele mais gostou de Niterói, o sambista afirmou que a cidade "é linda demais" e com "uma orla maravilhosa". Citando que contemplar a beleza visual da Praia de Icaraí "não tem preço", Juarez também fala com carinho de outras praias e do Parque da Cidade.


Além de maquiador profissional e rei de bateria, Juarez é estudante de medicina. Quando perguntado se é mais difícil convencer os jurados no Sambódromo ou saber todos os detalhes de uma prova prática de anatomia, ele não perde o gingado e responde sobre a comparação entre as duas paixões que tem.


- A prova de anatomia é algo exato, a ansiedade é diferente, mas se você estudar vai dar tudo certo e acaba com a nota máxima. No desfile, a emoção fala mais alto. Eu me entrego totalmente na avenida, vivo intensamente cada segundo. Supero limites, dor e cansaço. Mas no fim, o prazer de ter feito um espetáculo para quem vai nos assistir é a grande recompensa. Convencer os jurados não será difícil se você for desfilar com verdade e entrega. Quem estiver perto ou longe vai sentir a vibração da nossa bateria e e a minha também, e tenho certeza que vamos ter nota máxima. Estamos indo para entregar um grande espetáculo e vamos nos preparar neste ano com maia calma e antecedência para isso - finaliza.