Alunos denunciam falta de segurança em prédio da Universo no Centro de Niterói

Atualizado: Abr 29

Estudantes e funcionário foram vítimas de assalto na noite de terça-feira (27) dentro do campus


Por Gabriel Gontijo

Foto: Reprodução/Google Street View


Pior do que o medo de ser assaltado é a sensação de abandono e impotência que a vítima tem quando esse receio se concretiza. E isso é o que três estudantes da Universidade Salgado de Oliveira (Universo) disseram que sentiram ao serem assaltados por dois bandidos na noite desta terça-feira (27) no campus da Rua Marechal Deodoro, no Centro de Niterói. Além deles, um porteiro também foi vítima da ação.


O A Seguir: Niterói conseguiu contato com uma das vítimas, que preferiu não se identificar. Ela e os amigos são alunos do curso de Odontologia, o único que tem tido aulas presenciais por causa do atendimento comunitário à população. A aluna contou que toda a ação durou cinco minutos, mas que "parecia uma eternidade".


- Era por volta de umas sete da noite quando eu e meus colegas saímos da aula e pedimos um uber. Como a região estava muito deserta, esperamos dentro do prédio, já que os portões amarelos, que são os principais, estavam fechados. Só tinha uma portinha aberta, que é para entrada e saída dos alunos e professores de Odonto. De repente, chegaram dois caras armados, dizendo que iam nos matar e pediram tudo o que tínhamos - detalha a vítima.


A estudante também relata que os criminosos estavam com "armas prateadas" e pediram os celulares, dinheiro e as mochilas, que estavam com material de estudo e instrumentos de trabalho. Ela não teve o celular levado porque estava com o aparelho guardado, mas os colegas não tiveram a mesma sorte. Além disso, ela recorda que os bandidos ordenaram que todos ficassem de joelhos e que corressem em direção oposta em relação a eles, caso contrário iriam atirar.


Os bandidos levaram dinheiro e aparelhos de celular, mas não roubaram as mochilas dos alunos.


Estudantes se queixam de falta de providências


Após o crime, os estudantes e o porteiro se dirigiram à 76ª DP, localizada no Centro de Niterói. A vítima se queixa que "a direção da Universo não fez nada" inicialmente. Depois, com a repercussão da denúncia, segundo ela, é que houve um contato com as vítimas em busca de soluções.


De acordo com a estudante, um dos integrantes da direção propôs abrir o estacionamento para recepcionar motoristas de aplicativos que vão buscar funcionários que precisam trabalhar presencialmente e os alunos de Odontologia. Um funcionário, que também preferiu não revelar o nome, afirma que o problema da falta de segurança sempre existiu. Mas que a situação piorou durante a pandemia. Moradores de rua, cracudos e furto de cabos vem aumentando, segundo ele, pela falta de policiamento na área.


- A rua é deserta após o fechamento das lojas. A universidade e o Guanabara são os únicos que ficam abertos e funcionando. A iluminação pública é precária e o trânsito de viciados em crack e moradores de rua aumentou visivelmente. E mesmo apesar de a área ser próxima ao batalhão da PM, a passagem de viaturas ou até mesmo a permanência delas após as 18 horas é raríssima - criticou.


Procurada, a Universo não atendeu as ligações nos números que constam como da instituição e que estão no site da universidade.