Após denúncias, Comissão de Saúde solicita ao Antonio Pedro lista de vacinados

Atualizado: Jan 30

Funcionários questionam critérios de escolha dos imunizados; unidade teve direito a 800 doses


Por Livia Figueiredo

Hospital Universitário Antonio Pedro / Foto: Reprodução


A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Niterói encaminhou um ofício à superintendência do Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP) solicitando a listagem completa e função específica dos primeiros 600 funcionários vacinados da unidade. O presidente da Comissão, vereador Paulo Eduardo Gomes (PSOL) quer apurar denúncias de que a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) está privilegiando setores mais ligados à empresa, inclusive administrativos, e deixando de fora profissionais que atuam em áreas da unidade onde há evidente risco de contaminação por Covid-19.


No documento, a comissão também solicita mais informações sobre os critérios adotados pela Superintendência para a escolha dos setores profissionais que foram contemplados na primeira fase de vacinação. De acordo com o Plano Nacional de Imunização, nesse momento em que há poucas doses disponíveis de imunizantes no país, devem ser priorizados idosos residentes em instituições de longa permanência e profissionais de saúde da linha de frente. Nesta terça (26), o HUAP recebeu mais 200 doses de vacina da Prefeitura de Niterói e uma nova listagem dos profissionais de saúde que serão contemplados.


A falta de transparência na escolha dos vacinados no Huap preocupa a Comissão de Trabalhadores do hospital. De acordo com Izabel Firmino, que responde pela Comissão, até entre os médicos da unidade, sobram incertezas e insatisfação.


— A categoria médica está muito indignada com o que está acontecendo, porque o centro cirúrgico não foi incluído na listagem, os anestesistas reclamaram. O COROME, órgão responsável pelos residentes, enviou uma carta para a superintendência do hospital perguntando se não teria vacinação para os residentes — diz.


Apesar de não haver denúncias sobre "fura-filas", como tem ocorrido em outras unidades pelo país, os funcionários querem saber os critérios de seleção usados pela administração do hospital.


— Queremos transparência. Precisamos debater quem é considerado profissional de linha de frente, porque a compreensão que parece que estão tendo é muito limitada, de quem não conhece o funcionamento de um hospital, ainda mais em uma situação de pandemia — acrescentou Izabel.


Izabel Firmino conta que, desde o início da pandemia, os profissionais da Comissão de Enfermagem e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFF (Sintuff) vêm lutando por melhores condições de trabalho, desde o fornecimento de EPIs até a testagem regular dos trabalhadores. A luta agora é pela imunização.


— Não sei se eu e meus colegas que tivemos Covid podemos nos contaminar novamente. E o medo das variantes do vírus? A gente sabe que a contaminação menos prejudicial só se dá após a vacina. A nossa luta é em defesa dos trabalhadores, da testagem em massa e da vacinação – conclui Izabel, que atua no ambulatório, responsável pelo acolhimento do paciente na portaria do hospital.


Residentes serão incluídos, garante superintendência


Em nota, a superintendência do HUAP informou que foi realizada uma reunião com membros da equipe do hospital e, posteriormente, com a representação dos residentes. A superintendência e a governança se colocaram à disposição para rever a listagem de vacinação da primeira fase de imunização contra a Covid-19 e disse que o grupo de residência já foi incluído.


O hospital esclarece ainda que recebeu as primeiras das 600 doses disponibilizadas pela Prefeitura de Niterói para a primeira etapa e no mesmo dia iniciou a vacinação dos profissionais de saúde na unidade, seguindo as orientações da Secretaria de Saúde. Por fim, diz a nota que o HUAP está em contato constante com as autoridades para receber mais doses, o que permitirá contemplar os demais profissionais.