Araraquara não é aqui. Niterói está longe de ter um lockdown total

Cidade paulista que implantou medidas duras e conseguiu conter tragédia proibiu circulação de pessoas e transporte público e fechou até mercados

Rua vazia de pedestres e carros em Araraquara. Foto reprodução da internet


Araraquara não é aqui. O que o município paulista de 238 mil habitantes fez para mudar as curvas da pandemia de Covid foi muito mais drástico do que as medidas restritivas adotadas em Niterói. Aqui mercados, padarias, qualquer loja que venda alimentos, açougues, lojas de material de construção, de produtos veterinários, farmácias, pontos de venda de cosméticos... tudo isso está aberto. O fluxo de pessoas nas ruas de Niterói continua grande e os ônibus e barcas andam lotados de um lado para o outro, de um município para o outro. Então nosso ‘lockdown’, se continuar como nos primeiros dias, não pode sequer ser chamado de isolamento social ou quarentena.


Leia também: Niterói teve recorde de mortes na última semana


Mas por que Araraquara? Porque foi o primeiro município paulista de mais de 100 mil habitantes a implantar de fato um lockdown total. Até mercados da cidade foram fechados. A circulação de veículos e pessoas ao longo do dia, a não ser em casos excepcionais, foi proibida. A ordem é ficar em casa mesmo, de verdade, com multas pesadas, de R$ 6 mil a R$ 60 mil, para quem sair sem justificativa e descumprir as regras. O transporte coletivo foi suspenso e outros serviços essenciais foram drasticamente restringidos. O lockdown esvaziou as ruas de fato.


A medida foi decretada em 21 de fevereiro porque a rede de saúde estava em colapso, sem mais uma vaga sequer para doentes com Covid. Pacientes graves tinham de ser transferidos para outros municípios.


Lockdown total em Araraquara, interior de SP. Foto reprodução a internet


Prefeito foi ameaçado


Houve resistências? Houve. Comerciantes protestaram, instalaram imensos outdoors na cidade contra o fechamento do comércio, mas o Prefeito Edinho Silva, do PT, não cedeu. O Prefeito chegou a receber ameaças e até registrou queixa na Polícia.


Resultados começaram a ser sentidos após dez dias


Mas, nos primeiros dez dias de lockdown, com fiscalização intensa (o que não se vê em Niterói) e multas de até R$ 60 mil, os resultados começaram a aparecer na guerra contra a Covid-19. Com 13 dias já não havia fila de espera por leitos de UTI. Na UPA que funciona como porta de entrada para casos de Covid em Araraquara, antes chegavam quase 500 pacientes por dia, na terceira semana de fevereiro. Agora, este número caiu pela metade.


Importante frisar que, para especialistas, medidas restritivas para conter a Covid-19 só costumam ter efeito se durarem mais de 14 dias, um período maior, portanto, do que o anunciado inicialmente por Niterói e Rio, onde o período emergencial vai de 26 de março a 4 de abril, caso não seja prorrogado.


As mortes também despencaram em Araraquara. Na semana entre 1º e 7 de março, houve 41 mortes por Covid na cidade. Já de 22 de março até o domingo 28, foram registrados 16 óbitos. Comparando os mesmos períodos, o número de contaminados caiu de 945 para 438.


O Prefeito Edinho Silva acelerou a implantação de um sistema de testagem rápida de Covid-19, que também ajudou a reduzir a tragédia. Hoje a cidade tem taxa de 39 mil testados para cada 100 mil habitantes, o triplo do registrado no Brasil.


A taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid, que tinha passado de 100% e estava com fila de espera antes do lockdown, hoje é de 89%, mesmo assim porque agora Araraquara é que recebe pacientes de outros municípios. Se considerar apenas os moradores de Araraquara, esse índice cai para 30%.


Entre 21 de fevereiro e 21 de março, a média diária de casos do novo coronavírus no Estado aumentou 40%. Já em Araraquara caiu 58%. Na quinta-feira passada, foi a primeira vez em 44 dias que a cidade não registrou morte pela Covid-19. Mas depois voltou a registrar novas vítimas: seis pessoas morreram de sexta-feira (26) para sábado (27).


Especialistas que acompanham de perto o programa adotado em Araraquara alertam para a necessidade de medidas severas em toda a região. A pressão de outros municípios acaba prejudicando as ações de Araraquara. Mas, com os bons resultados obtidos por Edinho Silva, outras cidades já começam a tomar medidas mais duras.


As vizinhas Américo Brasiliense, Boa Esperança do Sul, Rincão e Santa Lúcia já fecharam tudo. Em São José do Rio Preto, o lockdown entrou em vigor no dia 17 e vale até dia 31. Moradores estão proibidos de circular pelas ruas sem motivo justo e podem ser multados em R$ 1.250. Os postos de gasolina só podem abastecer veículos de motoristas de serviços essenciais.


Mais restrições


Ainda não acabou. A Prefeitura de Araraquara já anunciou que vai instalar barreiras sanitárias, a partir de quarta-feira, dia 31 de março, para tentar impedir que visitantes cheguem à cidade infectados.


Além disso, o decreto municipal que prevê multas de R$ 6 mil a R$ 60 mil para quem desobedecer as medidas restritivas contra a Covid-19 continuará sendo aplicado.