Assim como Rio e Niterói, outras cidades do estado aderem a medidas restritivas

Atualizado: Mar 25

Maricá e Itaboraí endurecem ações para evitar aumento do número de casos. Demais municípios de outras regiões também fecham o cerco


Por Gabriel Gontijo

Cidades das regiões dos Lagos e Serrana já contam com barreiras sanitárias. Foto: Divulgação


Depois que Rio e Niterói decretaram lockdown de forma conjunta, outras cidades do estado também anunciaram uma série de medidas para impedir o aumento do número de internações por causa da Covid. Nesta terça (23) foi a vez de Maricá anunciar uma série de ações restritivas.


O prefeito Fabiano Horta (PT) anunciou nas redes sociais da prefeitura que a cidade está retornando à bandeira laranja até o dia 5 de abril. Pelas normas, fica estabelecido, entre outras ações, o fechamento de vias públicas e implementação de barreiras sanitárias em dias de feriados e fins de semana, a fim de conter o deslocamento e a movimentação de pessoas não moradoras da cidade em respeito aos protocolos de segurança sanitária. Serão oito barreiras localizadas em pontos estratégicos de acesso, entre eles o bairro do Espraiado, local que costuma atrair muitos turistas.


- É preciso que haja nos próximos 10 dias, 15 dias uma restrição e uma diminuição das nossas atividades. Esse não é um apelo evasivo, essa não é uma fala desconexa com a realidade. É uma fala que visa sensibilizar as pessoas que sabemos o atual estágio da evolução sanitária no município e é preciso e necessário que tomemos medidas objetivas e diretas para poder diminuir as taxas de transmissão e voltar a ter a natureza das nossas atividades normalizadas - afirmou Horta.


Já o município de Itaboraí está com restrições desde a semana passada e válidas até esta quinta (25). A cidade se encontra na bandeira vermelha e proibiu a permanência de pessoas nas vias públicas entre 23 e 5 horas. Em relação ao comércio, o funcionamento ser dá de forma escalonada. Ou seja, lojas de rua -funcionam entre 8h30 às 17h30 e shoppings de 10h30 às 22 horas, sendo que o atendimento em ambos os casos é de, no máximo, 75% da capacidade de lotação.


Mas uma fonte ligada à prefeitura antecipou que amanhã será feito um outro decreto e com ações mais rígidas. Recentemente, o prefeito Marcelo Delaroli (PL) reabriu o Hospital Municipal São Judas Tadeu como tentativa de desafogar outra unidade pública da cidade, o Desembargador Leal Júnior.


São Gonçalo não anunciou nenhum medida restritiva até o momento, mas existe a expectativa de que um comunicado oficial da Prefeitura seja feito até esta quinta.


Regiões Serrana e dos Lagos criam barreiras sanitárias


As cidades das regiões Serrana e dos Lagos criaram barreiras sanitárias para evitar a movimentação de pessoas e entrada de turistas nos municípios que integram cada área durante o período de dez dias de feriados antecipados entre a sexta-feira (26) e o domingo de Páscoa (4). Assim como Rio, Niterói e Maricá, os feriados antecipados foram o de 21 e 23 de abril, para os dias 29 e 30 de março; os dos dias 26 e 31 de março e 1º e 2 de abril (Semana Santa) e os fins de semana de 27 e 28 de março e 3 e 4 de abril.


Teresópolis montou barreiras sanitárias nos principais acessos à cidade. Só tem permissão de entrar os moradores e proprietários de imóveis na cidade; pessoas que trabalham no município ou que tenham, comprovadamente, reserva em unidades hoteleiras; fornecedores da administração municipal e participantes de procedimentos licitatórios e concursos públicos; profissionais da área de saúde e assistentes sociais, bem como, a entrada de veículos responsáveis pelo abastecimento de materiais, insumos e commodities de todos os setores, principalmente, saúde, alimentação, limpeza e higiene.


Todas essas pessoas devem portar documentos para a comprovação do enquadramento, como por exemplo o carnê de IPTU, o comprovante de residência, o documento de identidade fornecido por órgão de classe, as ordens de compra, editais de licitação e comprovante de inscrição em concurso público.


Já Petrópolis, também na Região Serrana, reforçou as ações nas barreiras sanitárias e já limita a entrada de turistas e visitantes desde ontem (23). Também determinou o fechamento dos pontos turísticos públicos e privados. O intuito é evitar a migração de pessoas de fora para a cidade, buscando impedir o aumento da circulação dentro do município. As medidas valem até sexta-feira (26), quando o governo do estado deve publicar um novo decreto com as determinações para todos os municípios fluminenses.


Só podem entrar na cidade as pessoas que apresentarem comprovante de que são do município. No caso de serem de fora, precisam comprovar a propriedade de imóvel na cidade ou apresentarem documento de reserva em meio de hospedagem local ou agendamento para compra nos polos de moda da cidade.


Em Nova Friburgo, as barreiras sanitárias serão montadas a partir de sexta-feira (26), e vão funcionar durante o período de dez dias. A prefeitura informou que vai realizar amanhã (25) uma reunião com o Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE) para definição dos critérios de restrições que serão adotados na cidade.


O comitê é responsável pela elaboração de estratégias de enfrentamento à pandemia da covid-19 e é formado por representantes do Executivo local com especialistas da área de saúde e integrantes da Procuradoria, da Defesa Civil, do Legislativo e da sociedade civil organizada.


Saquarema, Rio das Ostras e Casimiro de Abreu


Em Saquarema, na Região dos Lagos, a barreira sanitária vai funcionar no período da Semana Santa. Também só poderá entrar quem tiver comprovante de residência em seu nome. Se tiver casa alugada, terá que apresentar o contrato de locação em nome do locatário. Já os hóspedes de hotéis e pousadas deverão apresentar o voucher de reserva.


Em Rio das Ostras está em vigor um decreto da prefeitura fechando bares, quiosques, depósitos de bebidas, restaurantes, lanchonetes, pizzarias e similares, além das praias, onde não é permitida a permanência, praças, lagoas, lagos, rios, parques e mirantes, academias, estúdios, similares e afins. Também não estão liberadas as manifestações religiosas presenciais dentro de templos de qualquer natureza. A cidade registra 100% de ocupação dos leitos clínicos e de UTI desde a semana passada.


A Prefeitura de Casimiro de Abreu mantém barreiras sanitárias nas entradas do município. Elas já se encontram ativas desde sábado (20), em pontos de acesso à cidade. Servidores da secretaria de Segurança Pública, Saúde e da Guarda Civil Municipal trabalham em parceria com os servidores de Rio das Ostras para monitorar a circulação de pessoas.


Somente moradores com comprovante de residência, trabalhadores com comprovação, pacientes com consultas devidamente comprovadas, atendimento em órgãos públicos com comprovante de agendamento, profissionais da área de saúde e segurança em serviço, com as devidas comprovações, veículos oficiais em serviço e ambulâncias terão permissão para passar nas barreiras. Também está permitida a entrada de quem precisa participar de audiências em tribunais, mas neste caso é necessário apresentar a citação ou a intimação judicial para conseguir a liberação,


Todos os veículos são parados e os motoristas e passageiros passam por uma avaliação da equipe da saúde para que ninguém ingresse em Rio das Ostras e Casimiro de Abreu com sintomas de síndrome gripal ou covid-19.


Cabo Frio e Búzios


As barreiras sanitárias em Cabo Frio se encontram em funcionamento desde sábado (20). A medida se deve ao aumento de internações nos CTIs entre 9 e 19 de março, que disparou de 55% para 87% de ocupação. As barreiras ficam na Avenida Wilson Mendes, no bairro Jacaré, e na Avenida América Central, trecho urbano na rodovia estadual RJ-140, na altura do bairro Praia do Siqueira.


Com a medida, só entram na cidade moradores com comprovante de residência ou placa de Cabo Frio, pessoas que comprovem vínculo empregatício, turistas que apresentarem a comprovação de hospedagem na rede hoteleira ou nas casas legalizadas. Os ônibus de turismo estão limitados a 40 veículos que podem entrar.


Búzios vai proibir o acesso às praias durante os dias 26 de março e 4 de abril. Também estão proibidos os funcionamentos das barracas. A medida é para evitar a entrada de turistas na cidade, principalmente quem mora na capital e Região Metropolitana e pensou em viajar durante o lockdown