Atenção Máxima: piora nos indicadores leva Niterói para estágio de risco mais grave

'Nota' da cidade chegou a 10,25 e coloca Niterói no estágio Laranja depois de nove meses no Amarelo



O gráfico exibido pelo Secretário de Saúde Rodrigo Oliveira na reunião dos prefeitos do Rio e Niterói para decidir o lockdown revela um número capaz de explicar a decisão: o indicador-síntese de Niterói, que mede o risco da Covid na cidade, chegou a 10,25 - uma marca que, pelo decreto de combate à doença, muda o estágio de alerta, do Amarelo 2 para o Laranja, que, estabelece, por si só, medidas mais duras de isolamento.


Leia mais: Niterói proíbe eventos e permanência na areia da praia a partir desta quarta-feira, 24 de março


Niterói estava no estágio Amarelo 2, de Alerta Máximo, desde 21 de junho, quando o indicador síntese caiu de 10,25, em 14 de junho, para 7,63. Desde então, há nove meses, a cidade permaneceu no mesmo estágio, apesar das muitas oscilações do número. Em 22 de outubro, a cidade esteve perto de evoluir para uma situação de maior controle da doença: 5,38. Em 19 de dezembro, o risco chegou a 9,63.


Reprodução


A Prefeitura de Niterói ainda não anunciou, formalmente, a mudança de estágio. Os números costumam ser atualizados semanalmente. O último relatório do monitoramento da Covid que aparece no site do município é datado de 18 de março e apresenta um indicador síntese de 9,13, ainda no Amarelo 2. Mas na coletiva do Teatro Popular o Secretário já advertia para o salto das internações em UTIs, que chegava a 86% das vagas reservadas para doentes de Covid no SUS e em torno de 90% na rede privada.


A mudança de estágio para Laranja, segundo o decreto que regula a transição para o Novo Normal, prevê o fechamento de praias, parques e atividades não essenciais no comércio, bares e restaurantes. A Prefeitura deve publicar nas próximas horas um novo decreto com as medidas acertas conjuntamente com a Prefeitura do Rio para o feriado de 26 de março a 4 de abril. As medidas seguem recomendação do Comitê Científico de uma ação coordenada na Região Metropolitana.


O Governador do estado, Claudio Castro, foi contrário às medidas de restrição ao comércio. Herdeiro da cadeira do Palácio Guanabara com o afastamento do Governador eleito Wilson Witzel, Castro tem se aproximado do Presidente Jair Bolsonaro, que é contrário às medidas de isolamento. Para ele, bastava o feriado, uma medida que os especialistas consideram que não funciona isoladamento, porque pode ter efeito contrário e estimular a circulação de pessoas. a "Castrofolia", como apelidou o Prefeito do Rio Eduardo Paes.


Prefeitos com afinidade com a conduta negacionista do Presidente, como o de São Gonçalo, Capitão Nélson, ou Washington Reis, de Caxias, responsável por filas enormes na vacinação, preferiram também não aderir à ação coordenada na Região Metropolitana.