Banco de sangue do Antônio Pedro estimula doações no carnaval

Coordenadora de doações explica que é seguro doar na pandemia e fala das medidas para estimular a procura espontânea da população


Por Amanda Ares


Enfermeiras do Hemonit na sala de doação já durante a pandemia. Foto: página oficial Hemonit


Poucas atividades externas são tão seguras durante a pandemia quanto ir doar sangue no Hemonit. Mesmo assim, o medo de entrar em um hospital provocou uma queda desproporcional nas doações espontâneas ao longo de 2020 e também em janeiro de 2021, em comparação com anos anteriores. Em entrevista ao A Seguir: Niterói, a coordenadora de doações do Hospital Universitário Antônio Pedro, Milena Dias, afirma que o ambiente é seguro e que o hospital vem criando estratégias de proteção para evitar transmissões durante a doação de sangue e plaquetas.


Segundo Milena, quando as medidas restritivas começaram na cidade, o nível de doações chegou a um nível perigoso: “Abril e maio foram os piores meses para a gente”. Ela diz que as pessoas tinham medo de entrar no Hospital e ficarem doentes. Porém, o Hemonit fica em uma ala separada do Antônio Pedro e, portanto, doadores não ficam em contato com pacientes do hospital. Uma estratégia adotada foi possibilitar a marcação da doação através do número 21 2629-9063, ou pelo chat na página facebook.com/Hemonit .


A semana do carnaval é tipicamente crítica para os bancos de sangue, pois nem todo mundo se lembra de doar antes de viajar ou aproveitar a folia. Este ano está ainda pior, e Milena faz um apelo para que as pessoas usem o tempo que ficariam em casa em isolamento para contribuir com o estoque de sangue.


“Por causa das campanhas, em junho e julho, a procura espontânea aumentou, mas a partir do final do ano caiu novamente… e agora em fevereiro, está bem ruim”, lamenta a coordenadora.


Horário de funcionamento expandido


As doações funcionam de segunda a sexta, mas antes só podiam ser feitas pela manhã. Para ampliar a possibilidade dentro da rotina da população, o Hemonit passou a funcionar também nas tarde de 2a e 4a feira: “Nós não funcionávamos a tarde, agora funcionamos segunda e quarta à tarde, de 14h às 15:30”.


Doadores LGBTQI+


Foto: reprodução campanha Hemonit


Desde o ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) revogou uma norma que restringia a doação no caso de população LGBT. A regra antiga foi considerada discriminatória e um empecilho à manutenção da saúde dos bancos de sangue no país. Milena explica as restrições para doar sangue e plaquetas: “É preciso ter até 5 parceiros em um ano, e mesmo assim, tendo todas as relações com preservativos”.


Sobre o quadro de saúde geral, é preciso ter ao menos de 50kg, estar bem de saúde, não possuir doença autoimune, e nem ter sintoma de gripe ou estar tomando certos medicamentos. “Por isso, fazemos uma entrevista pra saber como a pessoa está; não pode ter doença auto imune, sintomas de gripe…” explica.


O Hemonit fica localizado no Hospital Universitário Antônio Pedro, rua Marquês de Paraná, 303, Centro de Niterói. Não é preciso passar pela recepção, basta se dirigir à direita após entrar no saguão do hospital, de segunda à sexta feira de 7h ao 12:30, e as segundas e quartas também das 14h às 15:30.