Bares superlotados no Leblon provocaram reforço na precaução em Niterói

Proprietários e clientes ainda estão cautelosos na cidade


Por Carolina Ribeiro


Bar da Máfia, em Itaipu: mesas separadas, cardápio digital e chope para atrair. Foto: Divulgação


Os “inocentes do Leblon”, como foram chamados os jovens que lotaram os bares do bairro no primeiro dia de reabertura durante a pandemia de Covid-19 apesar dos milhares de mortos pela doença, assustaram frequentadores e proprietários de bares de Niterói. Fechados há quatro meses, esses estabelecimentos aqui só foram autorizados a reabrir na segunda-feira (20), mas a ordem ainda é muita cautela e apenas das 11h às 23h, com metade da capacidade.


- Os protocolos não são tão simples de seguir. Há uma situação comportamental dos clientes que preocupa os empresários para que não aconteça o que ocorreu no Rio [bares lotados e aglomeração]. Bar envolve bebida alcoólica, que pode alterar o estado emotivo dos clientes, pode haver excesso, e aí o empresário é quem paga. Estamos orientando sobre o controle dos protocolos - diz Célio Latini Junior, assessor administrativo do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Niterói (SHRBSN), que está auxiliando na reabertura do setor.


- É tudo muito novo. Existe uma sensação de reestreia, de inauguração. Estão todos ansiosos, com expectativa de abrir as portas para tentar tirar o prejuízo, mas também curiosos para saber a reação dos clientes - completa ele.


Totem de álcool em gel na entrada do Bar da Máfia. Foto: Divulgação


Quem experimentou a nova sensação de reabertura foram os sócios da Cervejaria e Bar da Máfia, em Itaipu, na Região Oceânica, que abriu as portas na noite desta terça-feira (21). Antes da reabertura, Veronica Fialho contou ao A Seguir: Niterói que a expectativa era alta, mas que também tinha medo.

- É muita mudança numa época em que todos estão com dificuldades financeiras. Queremos que todos os clientes voltem e, ao mesmo tempo, seguimos os protocolos de redução e afastamento da mesa - contou.


Antes o bar programava alguns eventos de música ao vivo, o que ainda está proibido. Mas o forte sempre foram os chopes artesanais produzidos lá mesmo, em Itaipu. Este diferencial é com que contam para atrair os clientes de volta.


- O que sempre trabalhamos foi o nosso chope. Fazemos promoções da bebida com pizza e também rodízio de chope - finalizou.


Mas a reabertura não é um mar de flores para todos. Devido ao período fechado, estabelecimentos de Niterói tiveram muita dificuldade para se manter somente com o delivery. A oferta era muita, e a pandemia também trouxe crise financeira para os clientes. Para completar, poucos conseguiram um auxílio do governo, municipal e federal.


- A questão financeira é um desafio porque já havia recessão, depois quatro meses fechados, com custo elevado de tributos, aluguel e folha de funcionários. Praticamente todos estão esperando o início do Niterói Supera Mais - disse Celio Latini Junior. O programa de empréstimos da prefeitura começa na próxima quinta-feira (23), com prioridade para bares, restaurantes e academias.


- Existe muito medo de que muitos não sobrevivam, mas só o tempo dirá. Vai depender muito da criatividade de cada estabelecimento, de se reinventar neste período e identificar as novas perspectivas e os anseios dos clientes, que agora é sobre segurança - finalizou, completando que a categoria espera chegar ao movimento planejado dentro de um mês.


Por meio das redes sociais, dois bares mais novos de Piratininga, na Região Oceânica, anunciaram o fechamento. O Cosmo Pub não suportou os meses fechados, o aluguel que continuava sendo cobrado e a falta de auxílios do governo. O Boteco Sertanejo Oceânico, no Trevo de Piratininga, também fechou, mas anunciou em junho que em breve vai reabrir em outro ponto.


Bares e restaurantes de Niterói estão sendo fiscalizados pela prefeitura. Foto: Berg Silva/Prefeitura


Muitos dos bares de Niterói já reabriram as portas na semana passada, quando os restaurantes foram autorizados a funcionar. Isso porque a maioria serve almoço durante o dia, então se enquadram na categoria.

Regras


O espaço interno dos estabelecimentos deverá ser organizado com mesas com distanciamento de dois metros, e a taxa de ocupação deve respeitar o limite de 50% de número total de mesas. Não será permitida a movimentação nem clientes consumindo em pé. Balcões compartilhados deverão ser interditados. O uso de máscara também é obrigatório. Elas só poderão ser retiradas pelos clientes que estiverem nas mesas.


Está proibido o consumo durante a espera por mesa. Os clientes devem ser organizados em fila, garantindo o distanciamento de dois metros em espaço fechado e 1,5 metro em espaço aberto, com demarcação no piso. Além disso, é obrigatório o uso de máscara enquanto aguarda o atendimento. As calçadas externas deverão ter marcação no chão, garantindo distanciamento de 1,5m em caso de fila para entrada. Para evitar aglomeração, o estabelecimento deve destacar pelo menos um agente de desaglomeração para atuar na organização da fila de espera.


Além disso, os bares deverão disponibilizar álcool 70% para o público e os colaboradores, em locais estratégicos e de fácil acesso, fornecer equipamentos de proteção individual (EPI) aos colaboradores e checar a temperatura de funcionários e clientes que ingressarem no estabelecimento. Na entrada do estabelecimento deverão ser disponibilizados tapetes sanitizantes ou similares, para higienização das solas dos sapatos dos clientes. Mesas e cadeiras deverão ser higienizadas a cada troca de cliente.


A prefeitura está fiscalizando e conscientizando os donos de bares durante o dia e à noite, nos bairros da Zona Norte, Zona Sul, Centro, Região de Pendotiba e Região Oceânica. Os fiscais verificaram o uso de álcool em gel e a aferição de temperatura na entrada dos estabelecimentos, entre outros protocolos. O comerciante que for flagrado descumprindo o que determinam os decretos municipais pode ser multado em, no mínimo, R$ 463. Em caso de reincidência, pode ter a autorização de funcionamento do seu estabelecimento embargada.