Beba sem moderação. Bares de Niterói preparam drinques e cervejas sem álcool

Bares da cidade incrementam cartas de drinques sem álcool e oferecem opções de cerveja

Por Tatiana Clébicar



Depois do primeiro carnaval da pandemia, em que o aumento do consumo de bebidas

alcoólicas chamou a atenção de pesquisadores, uma pausa para um detox pode ser muito bem-vinda. Mas a turma do funil não precisa passar sede. Em Niterói, bares novos e antigos incluíram opções sem álcool nas cartas de drinques e cervejas.


Inaugurado há oito anos, o Armazém São Jorge, no Jardim Icaraí, sempre teve a

Paulaner Alkoholfrei (R$ 24,90) entre os mais de cem rótulos de cervejas do Brasil e do

mundo. A alemã é feita de trigo e não é filtrada. Durante o período de isolamento social,

ela passou a dividir o cardápio com a também germânica Schneider Weisse (R$ 19,90) e

entrou na lista de opções de pedidos por WhatsApp. A novidade foi incluída por um

motivo que tem nome, sobrenome e deve chegar no final de fevereiro: Noa Lima, filho

de Rebeca e João Bernardo, sócio da casa.


– Além da nossa família, notamos um aumento de gestantes entre clientes e amigas na

pandemia. Pensando nelas, acrescentamos mais essa opção – diz ele, explicando que a

fabricação dessas versões utiliza os mesmos ingredientes de alta qualidade e que a

diferença está numa das etapas do processo de fermentação, interrompido pouco depois de as leveduras começarem a digerir o açúcar presente no malte.



Cerveja alemã de trigo sem álcool do Armazém São Jorge. Foto: Divulgação


Outro processo usado nas cervejas zero é a desalcoolização, que retira o álcool após

completada a fermentação. Isso é feito por destilação a vácuo ou osmose reversa, um

método que usa membranas para filtrar o etanol. No Cavi, em Icaraí, além da Heineken

0.0% (R$ 9,90), que é desalcoolizada, a equipe prepara drinques coloridos, perfumados

e refrescantes com tônicas nacionais (R$ 9,90) e importadas (R$ 12,90). A brasileira

Wewi é orgânica e tem versão rosé e tangerina.



“Gin tônica sem gin” e cervejas zero do Cavi. Fotos: Divulgação


– Usamos as mesmas especiarias que nas nossas receitas de gin tônica: zimbro, alecrim, limão, casca de laranja – conta Lucas Tauil, que sugere o petit tartare (R$ 29,90), bocadinhos do clássico steak tartare sobre batata-doce frita, para incrementar o happy hour na área externa.


Também ao ar livre brinda-se com as criações do Mureta de Jurujuba. Ali, os sócios

Thiago Almeida e Max Moura, que moram em cima do bar que abriram em agosto,

fazem qualquer drinque do cardápio em versão virgem (R$ 30, com álcool; R$ 15, sem

álcool). O Muretinha, por exemplo, leva lima, limão, uva e água tônica. Só não é melhor

que a vista.


– Temos sempre uma variedade grande de frutas e podemos usá-las na hora do jeito que o cliente quiser. Uma combinação que fica muito boa é hortelã macerado, morango e água tônica – indica Thiago, que tem um cardápio de petiscos enxuto. – Temos porções (R$ 30) de bolinhos de bacalhau e de feijoada, pasteis de queijo e camarão e croquetes.


Drinques de frutas sem álcool do Mureta de Jurujuba. Fotos: Divulgação


No Queen Oceânico, cuja varanda tem sido disputada depois que o sol se vai, as frozens

sem álcool saem quase tanto quanto as alcoólicas e custam o mesmo preço (R$ 27,90 a

R$ 30,90). Entre as várias opções, as mais pedidas são as maracujá, morango, tangerina

e piña colada.


– Também fazemos o clássico mojito, que leva hortelã e limão, com xarope e soda – diz

o maitre Francisco Paiva.


Tintim!


Anote:

Armazém São Jorge: Rua Dr. Leandro Mota 8/loja 101, Jardim Icaraí. Tel.: 97132-

4568.

Cavi: Rua Mariz e Barros 171, Icaraí. Tel.: 2719-3440.

Mureta de Jurujuba: Avenida Carlos Ermelindo Marins 1211, Jurujuba. Tel.: 99142-

3467.

Queen Oceânico: Avenida Almirante Tamandaré 4.879, Piratininga. Tel.: 2619-1474.