Cartórios de Niterói registram o dobro de óbitos por Covid do que divulgado pela Prefeitura

Desde o começo da pandemia foram 2.220 registros de mortes contra 969 da Prefeitura; óbitos podem ser também de pacientes de outros municípios


Por Gabriel Gontijo

Foto: Reprodução/Internet


No dia 9 de março de 2020, Niterói registrou oficialmente o primeiro caso do novo coronavírus e desde então o número de óbitos provocados pela doença disparou a ponto de a cidade chegar ao recorde de mortes na série histórica de Estatísticas do Registro Civil, em um ano, com 8.236 vítimas fatais até o fim de março deste ano. Do total de óbitos, 2.220 foram por complicações da Covid, o equivalente a 26,95% do total. O número de mortes por Covid registrado em cartórios, portanto, é bem maior do que o que aparece a contagem da Secretaria Estadual de Saúde, que apontava 1.280 casos no final de março, e nos boletins da Prefeitura, que registrava na última quarta-feira (7): 969 mortos.


Leia mais: Niterói volta ao estágio Laranja após nove meses


Uma explicação pode estar no registro de óbito de moradores de outras cidades, internados em Niterói. A Prefeitura de Niterói já admitiu, em outras ocasiões, que "expurga" dos dados que divulga diariamente sobre Covid os casos de pacientes infectados, internados e mortos em Niterói mas que são de outras cidades.


Segundo o Portal da Transparência da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen Brasil), o total de óbitos representa um crescimento de 30,63% no número de falecimentos ocorridos em relação ao mesmo período do ano passado ( 5.714 mortes entre março de 2019 e o final fevereiro do ano passado).


Hospital Oceânico aumenta registros de óbito no cartório de Piratininga


Apesar da alta, não são todos os cartórios que tiveram crescimento acentuado do registro de óbitos. A reportagem conseguiu contato com dois dos cinco cartórios de registros de pessoas naturais de Niterói, o do 1º Distrito da 1ª Zona Judiciária, no Centro, e o do 2ª Distrito da 5ª Zona Judiciária, em Piratininga, na Região Oceânica.


De acordo com Diego Nunes, funcionário do cartório de Piratininga, o local contou com um crescimento "substancial" do registro de óbitos. Ele explica que a alta ocorre por causa da proximidade com o Hospital Municipal Oceânico, também localizado no bairro. Desde que a unidade passou a atender pacientes com Covid, muitas pessoas passaram a procurar pelo cartório da região. E ele explica que também houve aumento de registros de óbitos de quem mora em outras cidades.


- Desde que inaugurou o Hospital Oceânico que a gente percebe um crescimento de registros de óbitos que são feitos aqui. E isso não é apenas para quem mora na área de Piratininga, mas inclui gente de outros lugares, como Icaraí, Ingá, Centro e Barreto, por exemplo. Até registros de quem reside em cidades próximas, como São Gonçalo, Maricá, Itaboraí e Rio, estão sendo realizados neste cartório - explica Nunes.


Covid e outras doenças no Centro


Já a responsável pelo Ofício do 1º Distrito da 1ª Zona Judiciária, Taicê Teixeira, afirma que o cartório localizado na Avenida Ernani do Amaral Peixoto não teve "tanto aumento" do registro de óbitos. Ela explica que um dos motivos se dá pelo fato da unidade atender apenas os casos de óbitos que acontecem no Complexo Hospitalar de Niterói, o CHN, também no Centro.


Taicê até fala em crescimento do registro de mortes, mas afirma que os dados relacionados à covid "não diferem muito de óbitos causados por outras doenças, como o câncer". Além disso, a responsável revela que o cartório em questão tem tido mais registros de nascimentos ao invés de mortes.


- Como aqui a gente é responsável por registrar os óbitos que acontecem no CHN, na prática não se vê um número muito grande de doenças causadas por covid. Naturalmente que não estou dizendo que não teve um aumento. Houve uma alta, sim. Mas nada que seja assustador e nem muito diferente de outros tipos de falecimentos. Curiosamente, aqui tem aumentado o registro de nascimentos. Eu até brinco que isso é efeito do isolamento, pois as pessoas estão fazendo mais filhos por ficarem em casa - comenta Taicê.