Casos de feminicídio aumentam 127% no Estado do Rio em 4 anos

No mesmo dia em que Vitórya foi assassinada, outra mulher foi agredida em unidade da Marinha em Niterói

Vitórya Melissa Mota foi vítima de feminicídio aos 22 anos. Reprodução


Vitórya Melissa Mota, morta aos 22 anos de idade na praça de alimentação do Plaza Shopping de Niterói, é mais uma vítima do crime de feminicídio, que aumentou 127% nos últimos quatro anos no Estado do Rio. O feminicídio é o homicídio com agravantes e pena maior, cometido em decorrência da condição de a vítima ser mulher.


Leia mais: Mulher morre após ser esfaqueada na praça de alimentação do Plaza


Segundo as investigações iniciais da polícia, o assassino é um jovem identificado como Matheus, que teria se declarado a Vitórya e ouvido uma resposta negativa sobre namoro minutos antes do crime. Os dois faziam o mesmo curso de técnico em Enfermagem.


Dados do Tribunal de Justiça do Rio mostram que o número de casos de feminicídios cresceu 127% nos últimos quatro anos. Em 2019, foram 143 mulheres mortas no Estado do Rio. Pelo levantamento do TJ, em 2018 tinham sido registrados 100 casos de assassinato de mulheres, contra 80 e 63 nos anos anteriores. Os números de 2020 ainda não foram fechados pelo Tribunal.


Mulher agredida em unidade da Marinha em Niterói está hospitalizada


No mesmo dia em que Vitórya foi assassinada no Plaza, uma outra mulher, tenente, foi agredida a facadas por um colega, nesta quarta-feira (2), na Base de Hidrografia da Marinha, também em Niterói. A mulher foi levada para o Hospital Naval Marcílio Dias, no Méier, na Zona Norte do Rio. O quadro de saúde dela é estável.


O agressor, um cabo que teria sido repreendido pela tenente, foi detido. Em nota, a Marinha lamentou o ocorrido e informou que está prestando assistência à vítima e aos familiares dela.