Com avanço da vacinação, cresce a procura por lojas físicas e serviços presenciais

Atualizado: Ago 27

Pesquisa revela que 78,9% das transações financeiras no segundo trimestre foram de compras físicas; comerciantes observam alta demanda


Por Livia Figueiredo

A Livraria da Travessa, em Icaraí / Foto: Livia Figueiredo


Basta uma escapadinha na Rua Ator Paulo Gustavo, em Icaraí, uma das principais de comércio da cidade, uma visita ao Plaza Shopping ou uma caminhada pelo Centro para peceber que Niterói está funcionando. Com o afrouxamento das restrições e o avanço da vacinação, consumidores que não estavam tão confortáveis a frequentar espaços fechados ou restritos por causa da Covid, passaram a ir a lojas físicas. A mudança no ritmo da cidade já se reflete nos hábitos dos consumidores.


Leia mais: Chopp, pizza, folga: empresas dão incentivos para quem se vacinar contra a Covid


Seguindo uma tendência nacional, o niteroiense está consumindo mais em lojas e espaços de serviços físicos. E dados revelam isso: 78,9% das transações financeiras no segundo trimestre de 2021 são de compras físicas e apenas 21,1% são de compras on-line. A pesquisa é do novo relatório sobre o comportamento elaborado pelo Itaú, que tem como base movimentações de cartões de crédito e débito do banco e da Rede, empresa de adquirência.


Em relação ao comércio eletrônico, no segundo trimestre deste ano, os setores de saúde, bem-estar e veterinário foram o de maior destaque. O crescimento foi expressivo: 97,3% em comparação ao mesmo período de 2020. No entanto, mesmo com aumento de demanda por delivery de produtos, especialmente do mercado de pet, chama a atenção a procura por compras em estabelecimentos: A petshop Petily, em São Francisco, por exemplo, teve um aumento progressivo na movimentação de 20% ao mês nos últimos três meses. O aumento vai ao encontro do número de pessoas imunizadas e do afrouxamento de medidas de restrição, como a ampliação do horário de funcionamento.

Artigos pet / Foto: Reprodução Google


- Nosso foco na verdade é o delivery, que representa mais de 80% das nossas vendas. Percebemos que os pedidos no site aumentaram muito no primeiro trimestre, quando parte do comércio teve que fechar. Isso refletiu na gente, apesar de não termos fechado. O comportamento das pessoas mais em casa já provocou isso. Mas, nos meses de maio, junho e julho as vendas dispararam. Em maio, as vendas representaram três vezes a mais em relação ao mesmo período em 2020 (210%). Em junho, foi 138% a mais e em julho 139% a mais. O movimento vem aumentando com o avanço da vacinação - explicou uma das sócias, Yasmin Mattos.


Ela diz que percebeu um aumento de pessoas da faixa-etária de 40-60 anos na loja, enquanto jovens costumam pedir mais por WhatsApp ou pelo site. A petshop Hackiko também notou uma maior procura da clientela, com destaque para as lojas localizadas em bairro mais residencial. A procura foi tamanha que uma das unidades da loja foi aberta durante a pandemia. Os produtos mais procurados são rações e medicamentos, além dos banhos. De acordo com um dos sócios, Lucas Flach, as vendas têm aumentado significativamente. Porém, quando comparado ao ano anterior, é possível notar um avanço no faturamento na loja localizada em bairro mais residencial e uma redução na loja localizada em bairro mais comercial.


Já no setor de lazer, que inclui clubes, cinema, teatro, livrarias, boliche, sinuca, além de parques e escolas de dança, houve crescimento de 176,6% no faturamento, no segundo trimestre de 2021, na comparação com o mesmo período de 2020. Rui Campos, sócio da Livraria da Travessa de Icaraí, que abriu as portas durante a pandemia, em dezembro de 2020, diz que é tempo de comemorar os bons resultados.


- Podemos dizer que os bons resultados estão constantes neste ano. Vamos ativar o 3° andar com muitos eventos, como debates, palestras e sessão de autógrafos. No momento, o espaço está aberto apenas com uma seção de livros de bolso e outra de saldos e ofertas. A ideia é colocar um piano! - conta, animado.


Logo na entrada da Travessa, tem o Lilia Café, cafeteria consolidada do Rio de Janeiro, que não deixa de ser um ponto atrativo do espaço. A proposta da cafeteria é de estreitar as relações do trabalho do campo com o da cidade. Essa tendência de procura por produtos mais artesanais tem contribuído para o aumento do público, principalmente no turno da manhã e no fim de tarde.

Duplo expresso finalizado com paçoca / Foto: Reprodução Redes Sociais


Leia também: Niterói inicia terceira dose da vacina nesta sexta; Ministério da Saúde autorizou reforço


Novo normal é possível, mostram comerciantes


No ambiente físico, os segmentos que apresentaram maior crescimento no segundo trimestre de 2021 foram os atacadistas – com um aumento de 35,4% em relação a 2020 e lojas de materiais de construção, com elevação de 31,6%. Esta semana, A Seguir: Niterói mostrou que conscientes da nova realidade, alguns comerciantes da cidade têm mostrado que é possível, sim, conviver com o "novo normal", como é o caso da Casa Magalhães, loja de material de construção e hidráulica, que fica na Rua Visconde de Itaboraí, no Centro da cidade. A loja mantém um número restrito de clientes. Medida que veio para ficar. Dependendo da hora, há fila de clientes, mas o comerciante não cede à tentação de deixar que todos entrem ao mesmo tempo.


Entidades que representam os comerciantes da cidade reconhecem que os negócios têm melhorado, conforme os riscos da pandemia são reduzidos. A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e o Sindicato dos Lojistas (Sindilojas) confirmam que houve uma “inegável melhora” no faturamento nos últimos meses.