Com dois niteroienses , Expedição Anamauê sai da Bahia com destino a Niterói

Desafio conta com a participação dos velejadores Tavo Callat e Douglas Moura; chegada será em Jurujuba

por Gabriel Gontijo

Atleta niteroiense, Douglas Moura é um dos líderes do desafio. Foto Mahalo Produções



Uma tripulação composta por seis atletas, entre velejadores e remadores, partiu em busca de um desafio marítimo em pleno Natal. Eles integram a quarta edição da Expedição Anamauê, que partiu dia 24 da cidade baiana de Arraial D´Ajuda até a praia de Jurujuba, em Niterói. A chegada está prevista para acontecer na sede do Centro de Estudos do Mar (CEM), onde está sendo feito todo o planejamento logístico da travessia. A previsão é que eles cumpram uma travessia de 650 milhas náuticas. E entre os participantes estão dois niteroienses, Douglas Moura e Tavo Callat

Um dos líderes da equipe, Moura é um experiente remador de 39 anos que, desde 2005, participa de competições de canoa havaiana. Juntamente com os demais integrantes, ele faz a travessia numa canoa havaiana V6 adaptada com vela, pela costa do Brasil. O ponto de partida na Bahia foi a base da Canoa Para o Povo (CPP) e promete ser um dos mais difíceis do Brasil neste tipo de barco, com previsão para durar entre 20 a 25 dias até a chegada ao bairro niteroiense. Mas, apesar de a aventura se mostrar desafiadora, não é a primeira vez que Moura comanda essa expedição.

No fim de 2017 e começo de 2018, ele e tripulação ficaram por volta de 10 dias navegando de canoa havaiana saindo de Niterói com chegada em Santos, no litoral paulista. Posteriormente, a Anamauê realizou expedições de Santos para a cidade vizinha de Ubatuba e de lá para a volta em Ilhabela e São Sebastião, todas localizadas no litoral do estado de São Paulo. Ele explica que conheceu o velejador e canoísta Ranin Thomé, que é o outro líder do desafio atual, no ano passado. E foi a partir dessa aproximação que surgiu a ideia de fazer a travessia da Bahia até Niterói em 2020. -Ano passado me aproximei do Ranin Thomé e levantamos a possibilidade de fazer uma expedição juntos. Estreitamos a amizade durante a quarentena e decidimos fazer a travessia. A primeira dúvida seria para onde. Inicialmente seria de Vitória (ES) até Niterói (RJ). Ele tem base em Vitória (ES). Só que aí chegamos à conclusão que seria melhor velejar. Se não formos remando queríamos um local ainda mais distante, maior que já fiz. Então pensamos onde tínhamos base, que é Arraial D´Ajuda. Pensamos que é uma loucura, mas vamos encarar essa loucura juntos. Começaram a planejar e quando foi outubro batemos o martelo. Chamei o Tavo Calfat que é o camarada do CEM, divide o espaço comigo, entende muito de vela. Daniel Gnone é o nosso mascote, moleque mais jovem da expedição e chegou para somar e o Ranin escolheu a Bárbara que é instrutora dele e a namorada dele, a Daiana que tem todo esse currículo. Iremos velejando em nossa canoa havaiana adaptada, mas quando possível também remaremos - disse o atleta niteroiense citando os outros tripulantes, como o conterrâneo Tavo Callat, a capixaba (assim como Thomé) Dayana Gualberto de 33 anos, o carioca Daniel Gomez Gnone, de 29, e a paulista Bárbara Guimarães, de 29.

Já o outro niteroiense que integra a equipe, Tavo Callat, participa do desafio pela primeira vez. Apesar de trabalhar como desenhista industrial, ele começou a velejar ainda na infância, com apenas 7 anos de idade, e desde 2007 é remador de canoa. Com 47 anos atualmente, já realizou travessias oceânicas e outras de distância menores. Na canoa tem títulos na Volta de Ilhabela, em São Paulo, e Rei de Búzios, na Região dos Lagos, que é onde mora hoje em dia.


A tripulação planeja velejar cerca de 30 até 35 milhas náuticas por dia. A depender do vento e condições do mar, poderia levar cerca de quatro até seis horas por dia de navegação sem o auxílio de aparelhos eletrônicos ou GPS. Eles levarão alimentação e seus respectivos colchões de dormir na canoa havaiana e irão dormir em bases ao longo do sul da Bahia, Espírito Santo e o Estado do Rio de Janeiro. Quando necessário vão se alimentar no mar.