Relembre cinco musas de escolas de Niterói que brilharam na Sapucaí

Raíssa Machado, Juliana Paes e Luma de Oliveira representaram a cidade em desfiles no Rio


Por Gabriel Gontijo

Luma, a eterna musa da Viradouro. Foto: Fernando Miceli


Não são só as escolas Viradouro, Cubango e Sossego que passam na avenida do samba e chamam a atenção para Niterói. Grandes rainhas de bateria também fizeram história no Rio levando a bandeira de Niterói, mesmo que desfilando por escolas da capital. O A Seguir: Niterói preparou uma lista com cinco musas inesquecíveis que fizeram história na Sapucaí:


Luma de Oliveira


Afastada da folia há quase dez anos, Luma de Oliveira ainda é lembrada por muitos apaixonados por carnaval. Tanto que é chamada de "A Rainha das rainhas de bateria". Nascida em Nova Friburgo, na Região Serrana, ela foi criada desde a infância em Niterói e participou de diversos blocos niteroienses antes de ficar famosa.


Estreando no carnaval carioca em 1987 pela Caprichosos de Pilares, a atriz passou pela Tradição, Viradouro e Portela. Em 2004 ela ficou de fora da folia pela primeira vez por causa de uma crise no casamento, que acabou se encerrando no mesmo ano. Chegou a desfilar com uma coleira com o nome do então marido, Eike Batista, provocando polêmica. Cinco anos depois, ela deixou o posto de rainha de bateria da Portela e desfilou pela última vez em 2012, quando foi homenageada pela Estácio de Sá.


Raíssa foi rainha em 2020, ano de campeonato da Viradouro. Foto: Divulgação


Raíssa Machado


Embora seja maranhense de nascimento, ela se mudou para Niterói com apenas 2 anos de idade e desde criança sempre se mostrou interessada pelo samba. A estreia no carnaval foi em 2008, quando foi Rainha do Carnaval de Niterói. Pela Viradouro, foi campeã nos títulos de 2014 e 2018 na Série A e também na conquista do Grupo Especial em 2020, quando a escola foi a vencedora da elite do carnaval carioca após 23 anos.


Apesar de ter uma forte ligação com a agremiação sediada no Barreto, na Zona Norte de Niterói, Raíssa anunciou recentemente que não seria mais a rainha de bateria da Viradouro. Se permanecerá na escola ou se tentará continuar à frente de uma bateria em outra agremiação, ainda não anunciou.


Foto: Reprodução/Instagram

Josiane Codeço


Nascida na cidade vizinha de São Gonçalo, Josiane conhece bem o que é representar Niterói no mundo do samba. Ela já atuou como rainha de bateria da Império de Araribóia (no carnaval niteroiense), foi passista da Unidos do Viradouro e desfilou nos últimos dois carnavais da Sapucaí pela Acadêmicos do Sossego.


Como os desfiles de 2021 foram cancelados por causa da pandemia, não se sabe se ela seguirá representando a escola niteroiense na Sapucaí no próximo carnaval.


Foto: Alex Ferraz Comunicação/Divulgação


Michelly Boechat


Outra que sabe como é representar Niterói muito bem no carnaval carioca é Michelly Boechat. No último carnaval, ela desfilou pela Cubango e Acadêmicos do Sossego, na Sapucaí, e também pela Unidos da Região Oceânica no carnaval niteroiense.


Além do amor ao samba, Michelly também se dedica aos cuidados com o corpo de forma rigorosa. Formada em Educação Física, ela tem pós-graduação na área e também trabalha como nutricionista. Além disso, tem formação acadêmica como assistente social.


Foto: RioTur/Divulgação


Juliana Paes


A atriz é outra musa que foi responsável por levar o nome de Niterói nos desfiles da Sapucaí. Sempre exaltando seu amor publicamente pela cidade. Juliana Paes foi rainha de bateria da Viradouro por cinco anos, de 2003 a 2008.


Em 2018, a bela voltou como rainha de bateria, mas pela Grande Rio, escola de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ficou até o início de 2020 na agremiação e saiu, sem desfilar no carnaval passado.