De todas as recomendações dos cientistas, a mais eficiente: FIQUE EM CASA

Ao longo do último ano, cenas de descuido coletivo mostraram que é preciso rever atitudes para evitar o avanço da pandemia



Há mais de um ano, Niterói enfrenta, como todo o Brasil e o mundo, o desafio de conter a Covid. No momento em que a pandemia atinge a marca de 300 mil mortos no país, Rio e Niterói adotam medidas para reduzir a circulação de pessoas. De todas as recomendações dos especialistas, como o uso de máscaras, a limpeza das mãos e outros protocolos adotados para regular os riscos, uma única medida merece o consenso e tem uma eficiência inquestionável: o isolamento. Não atoa, é a medida que vem sendo adotada na maior parte dos países sempre que a doença ameaça a capacidade de atendimento hospitalar.


Apesar de todas as perdas, muitas vezes as pessoas se enganam acreditando que estâo protegidas. O A Seguir: Niterói listou algumas destas situações, que contribuíram para o dramático prolongamento da pandemia. Evite-as. E sempre que possível, FIQUE EM CASA!



O termômetro tem sido um assessório muito usado na entrada de estabelecimentos comerciais e escolas, e deveria servir para alertar sobre uma febre que não foi notada. No entanto, ele só mede a temperatura correta se apontado para a testa, e não para o pulso. Infelizmente, seu uso foi destorcido e, em toda a cidade, é possível ver exemplos como o da foto acima.


Outro hábito ruim muito visto por aí é a falta da máscara, especialmente ao falar com outras pessoas na rua. A máscara corretamente usada e do material certo, evita que partículas de saliva contaminem o interlocutor, e seu uso é fortemente recomendado pela OMS, Fiocruz e outras autoridades em saúde.


O último Decreto da prefeitura de Niterói proibiu bares e restaurantes de servirem clientes após as seis da tarde. Entretanto, esta padaria de Icaraí servindo clientes na calçada após as 18h, nesta semana.


Uma das principais reclamações, especialmente por parte das pessoas que precisam usar transporte público todos os dias para irem trabalhar, é o da lotação nos ônibus e barcas. O período de dez dias de isolamento estendido propõe reduzir drasticamente a demanda dos ônibus, reduzindo a aglomeração causada diariamente.



Especialistas recomendam evitar aglomerações, mesmo em ambientes ao ar livre, pois a proximidade de várias pessoas pode disseminar o vírus mesmo em um lugar aberto. As praias são alvo das autoridades nos dez dias de restrição, e barreiras serão montadas para evitar cenas como a da foto acima, da prainha de Itacoatiara.