Depois do Butantan, Governo Federal anuncia outra vacina brasileira, a Versamune

Atualizado: Mar 27

Ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, apresentou comprovante do pedido junto à Anvisa

Ministro Marcos Pontes. Marcelo Camargo/Agência Brasil


Depois de o Butantan anunciar a vacina Butanvac, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Marcos Pontes, convocou a imprensa para anunciar que o Governo Federal também está financiando uma vacina. A Versamune-CoV-2F, como foi chamada, está sendo desenvolvida em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto, em parceria com as empresas Farmacore Biotecnologia e PDS Biotechnology Corporation.


Leia mais: Butantan anuncia a Butanvac, a primeira vacina brasileira contra a Covid


Dizendo ser "importante" informar esse dado, Pontes chegou a apresentar um comprovante do pedido feito à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de realização de testes clínicos. Segundo o Ministro, a data da solicitação é da última quinta-feira, dia 25.


A solicitação para que os pesquisadores envolvidos no desenvolvimento do imunizante possam dar andamento às fases 1 e 2 dos testes, que envolvem a avaliação em humanos. Marcos Pontes informou que inicialmente serão 360 voluntários.


Anúncio foi feito depois do Butantan


O anúncio foi feito horas depois de o governador de São Paulo, João Doria, anunciar que o Instituto Butantan está desenvolvendo uma nova vacina totalmente nacional, a Butantanvac, e que o órgão entrará com pedido de autorização na Anvisa para os estudos clínicos.


Perguntado por que o anúncio do governo federal foi no mesmo dia do realizado pelo governo de São Paulo, Pontes disse que é uma “coincidência”.


— Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Eu estava na expectativa de anunciar. Ia fazer assim que entrassem [com o pedido na Anvisa]. Começaram em fevereiro a apresentar os documentos para a Anvisa. É uma coincidência que ele [governador João Dória] tenha anunciado em São Paulo —, disse Pontes.


Em rápida entrevista, Marcos Pontes destacou que o ministério vem financiando pesquisas desde fevereiro do ano passado, mas que teve dificuldades para obter novos recursos no fim do ano e em fevereiro, mas remanejou recursos da pasta para o projeto coordenado pelo professor da USP de Ribeirão Preto.


— Em fevereiro uma dessas vacinas se adiantou bastante com a Anvisa. Busquei no MCTI recursos de outros projetos para apoiar os testes clínicos — disse.