Epidemiologistas do Brasil e do mundo pedem lockdown no país para conter pandemia

Medida seria a única capaz de frear o agravamento da crise sanitária, diante do atraso na vacinação

Rua Moreira César em período emergencial / Foto de leitor


Na semana em que o Brasil bate recorde de mortes por Covid-19 e mundo volta os olhares para situação do país, cientistas fazer o alerta: somente um lockdown poderia amenizar os danos causados pela pandemia. Em entrevista à BBC Brasil, Anthony Fauci, líder da força-tarefa contra a pandemia nos Estados Unidos, foi mais um a defender a adoção de medidas mais restritivas.


Leia mais: 'É uma situação absolutamente desesperadora', diz médico de Niterói


— Não há dúvida de que medidas severas de saúde pública, incluindo lockdowns, têm se mostrado muito bem-sucedidas em diminuir a expansão dos casos. Então, essa é uma das coisas que o Brasil deveria pensar e considerar seriamente dado o período tão difícil que está passando — argumentou Fauci.


A necessidade de lockdown também é reconhecida pelos principais epidemiologistas do país. À CNN Brasil, a pesquisadora e pneumologista Margareth Dalcolmo alertou que o Brasil vai bater novos recordes de mortes em abril, e o isolamento é a saída.


— Só com uma restrição total na circulação das pessoas é que vamos conseguir interromper totalmente as infecções — avaliou.


Também em entrevista à CNN, o professor de Infectologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e pesquisador da Fiocruz, Julio Croda, também crê num agravamento da pandemia, caso medidas severas não sejam adotadas.


Movimento pede lockdown de três semanas


Lançado no último fim de semana, o movimento Abril Pela Vida propõe o lockdown como única alternativa para evitar mortes e salvar a economia. O movimento, que já coletou mais de 70 mil assinaturas, pede medidas de isolamento, com pagamento de auxílio emergencial, em parcela única, para que o trabalhador fique em casa.


"Sem lockdown, os casos de Covid-19 seguirão crescendo progressivamente. Hoje, os serviços de saúde públicos e privados já estão sobrecarregados e são incapazes de atender toda a demanda de pacientes com Covid-19", diz o manifesto.