Escolas da rede particular de Niterói retornam com aulas presenciais

Atualizado: Abr 7

Instituto GayLussac teve adesão de 70%; Justiça derruba liminar e escolas da rede privada podem reabrir no Rio


Por Livia Figueiredo

Escolas da rede privada de Niterói retornam com atividades presenciais / Foto: Divulgação


Enquanto as redes municipais seguem sem previsão de retorno das atividades presenciais, as escolas da rede privada de ensino em Niterói voltaram nesta segunda-feira (5) com as aulas exclusivamente para Educação Infantil, seguindo o decreto municipal. A adesão variou em cada unidade. Em algumas escolas, mais de 70% dos alunos compareceram, enquanto em outras foi menor. O Ensino Fundamental poderá retomar suas atividades presenciais no dia 12 de abril. Já o Ensino Médio e o Superior seguem sem data definida.


Na madrugada desta segunda, o debate do modelo presencial virou discussão na Justiça. Parlamentares do PSOL entraram com uma ação contra o retorno das aulas presenciais. Os vereadores e deputados alegam que o retorno implica uma maior circulação do coronavírus devido ao intenso trânsito de alunos, responsáveis e profissionais da educação. Até o momento a Justiça não decidiu.


Leia mais: Parlamentares do PSOL vão à Justiça contra volta às aulas presenciais em Niterói


Baixa adesão no Colégio Salesiano


O Colégio Salesiano de Piratininga, na Região Oceânica, reabriu, mas poucos alunos retornaram. Em nota, a assessoria do colégio afirma que a escola é toda equipada para a modalidade híbrida e o sistema presencial segue sendo opcional. Os colégios São Vicente de Paulo, em Icaraí, e o Nossa Senhora do Mercês, no Fonseca, também retornaram suas atividades nesta segunda-feira. As aulas presenciais ficam a critério dos responsáveis. De acordo com a direção das duas unidades, as escolas estão disponibilizando álcool gel e aferindo a temperatura dos alunos.


Alunos do Colégio São Vicente de Paulo, em Icaraí / Foto: Lucas Benevides


Já no Colégio GayLussac a adesão dos alunos foi mais expressiva, chegando a 70%. As turmas que retornaram esta semana foram da Educação Infantil do Grupo 1 ao Grupo 5. De acordo com a direção da escola, a maioria que optou pelo ensino presencial compareceu.


- Frequentar a escola é uma necessidade essencial e isso precisa ser compreendido pela sociedade. É possível e necessário escolas abertas cumprindo os protocolos de segurança. Isso é fundamental para a saúde mental das crianças e para o viver da infância necessário para o bem-estar que também é saúde. Há de se pensar no século XXI sobre a necessidade da saúde física e mental. Dessa forma, considerar escolas abertas é pensar também na saúde – afirmou a diretora Luiza Sassi.


Justiça derruba liminar e escolas podem reabrir no Rio


O Rio de Janeiro tem tido dias movimentados. No domingo (4), a Justiça havia suspendido a liminar que autorizava o retorno das aulas presencias, porém nesta terça a coisa mudou um pouco de figura e as escolas podem funcionar a partir desta terça-feira, 6 de abril. É que o presidente do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, atendeu a um recurso da Prefeitura do Rio no fim da manhã e autorizou a volta das aulas presenciais no município, dentro da flexibilização das medidas contra a Covid. Ainda segundo o desembargador, cabe aos pais a escolha se deixam ou não seus filhos frequentarem as escolas.


De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, os colégios particulares já podem abrir na tarde desta terça. Segundo a pasta, as 419 escolas e creches da prefeitura retomam as atividades nesta quarta (7). A taxa de ocupação dos leitos de UTI da Rede SUS do município está em 92%.


Leia também: Niterói altera lei para liberar vagas em cemitérios na pandemia: 'Demanda extraordinária'