Gerir um hospital já é difícil, imagine na pandemia de Covid

Médicos gestores do Hospital Icaraí falam do trabalho na pandemia


Enfermeira do Hospital Icaraí. Foto: Divulgação


Se as dificuldades para fazer um hospital de grande porte funcionar são desafiadoras no dia a dia, numa pandemia como a de Covid-19 elas se multiplicam. É disso que tratam dois médicos gestores do Hospital Icaraí, que tem 2 mil médicos cadastrados e 1,3 mil colaboradores, com atendimentos em emergências, UTIs, centros de diagnóstico e imagem, além de transplantes e cirurgias.


Quando se fala em tratamento de Covid, as pessoas sempre pensam em UTIs, respiradores, mas a emergência também é fundamental para dar celeridade ao atendimento a esses pacientes, diz o coordenador e gestor da emergência adulta do hospital, Daniel Marques.


- A minha função impacta diretamente todos os outros setores da instituição, já que grande parte dos pacientes internados é admitida pela nossa emergência. Então, precisamos sempre administrar velocidade e qualidade, para que os pacientes não aguardem tanto tempo na espera e tenham os seus diagnósticos definidos o mais rapidamente possível. E claro, alinhar essa produção médica à qualidade assistencial - diz Daniel Marques.


Por causa do desconhecimento da doença e o pouco acesso aos protocolos a serem adotados, o começo da pandemia foi especialmente difícil para profissionais de saúde. A médica Patrícia Martins, gestora clínica da Unidade de Internação Pediátrica e gerente médica do Escritório de Projetos do HI, considera que o gestor deve entender os mecanismos que podem melhorar o desempenho do hospital e estar atento às expectativas no mercado de saúde, aos avanços tecnológicos e às pesquisas na área médica.


- Nessa fase atual nós tivemos que nos adaptar a uma rotina intensa de tomada de decisões frente a um enorme volume de informações que chegavam através de matérias e artigos ainda em processo de validação, e conclusões por meio da experiência de países que já atravessavam a pandemia há mais tempo - explica ela.


Patrícia, médica há 27 anos, diz que a prática clínica ajuda a reconhecer os pontos de ajustes necessários em cada operação. Entre as tarefas de um gestor de unidade estão as de monitorar treinamentos, implementar diretrizes e projetos de acordo com os protocolos de atendimento e promover ações que resultem na assistência médica segura e de qualidade.


- Na formação acadêmica de um médico não existe nenhuma cadeira que promova educação em administração ou gestão. O talento para gestão pode ser nato ou pode ser desenvolvido através de qualificação. Aliar ambas condições é o idea - diz ela.


Num momento de crise com a pandemia de Covid, a união dos profissionais de saúde também é fundamental para enfrentar a doença e obter vitórias como seguidas altas de pacientes.


- A Covid trouxe um período muito complicado para mim e minha equipe, mas que serviu para mostrar como estamos coesos e alinhados às propostas da instituição. Tivemos semanas horríveis, com pacientes muito graves e em grande quantidade. Precisei me desdobrar para aumentar a minha capacidade assistencial junto aos meus amigos e, ao mesmo tempo, manter as minhas obrigações administrativas. Um desafio enorme - conta o doutor Daniel Marques, comemorando que todos os funcionários do setor que adoeceram na batalha contra o novo coronavírus já estão plenamente recuperados.

728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.