Goleiro Bruno vai disputar Série C do Carioca por time de São Gonçalo

Condenado pelo assassinato de Eliza Samúdio, ocorrido em 2010, jogador foi contratado pelo Atlético Carioca para a Série C do estadual


Por Gabriel Gontijo

Dirigentes do clube festejam contratação do goleiro condenado por homicídio. Divulgação.


Condenado por homicídio, o goleiro Bruno Fernandes de Souza, de 36 anos, acertou com o Atlético Carioca para disputar a quinta divisão do Campeonato Carioca. O anúncio foi feito na madrugada desta terça-feira (16) nas redes sociais do clube. O clube apesar de ostentar o nome "carioca" é de São Gonçalo e pertence ao empresário Maicon Villela, já afastado do futebol pela Federação do Rio de Janeiro.


Leia mais: Diretor do Azevedo Lima determinou a vacinação dos enteados e de um amigo médico


A negociação já vinha ocorrendo desde janeiro, apesar do nome do goleiro merecer repúdio dos torcedores de vários clubes em que tentou jogar. O empresário não se incomodou com a repercussão, e ele fez questão de posar com o goleiro e "ostentar" a contratação. Nas suas redes sociais, escreveu:" Quando se sentir tentado a fazer uma crítica, antes de pegar a LUPA. Pegue um ESPELHO. Se passar no teste vá em frente", publicou na legenda."


Antes do anúncio, Bruno participou de uma partida de futebol amador no campo do Cais do Porto, no bairro Antonina, em São Gonçalo, neste domingo (14). Por participar do evento, o local teve aglomeração de curiosos. No ano passado, ele jogou a Série D do Brasileirão pelo Rio Branco, do Acre, em mais uma contratação polêmica. O jogador atuou em 18 jogos e marcou um gol de pênalti.


Bruno foi condenado pela Justiça, em 2013, a 22 anos de reclusão por ter sido o mandante do assassinato da modelo Eliza Samúdio, ocorrido em 2010 em um sítio localizado na cidade de Esmeraldas, no interior mineiro. Além dele, os comparsas conhecidos pelos apelidos de Bola e Macarrão foram condenados por serem os autores do crime. O corpo de Eliza jamais foi encontrado. O jogador foi para o regime semiaberto em 2019.


A contratação gerou fortes críticas nas redes sociais do clube. No perfil do time no Instagram, um torcedor chegou a dizer que a contratação foi "uma bola fora". Outro disse que iria dar um "unfullow", que é deixar de seguir o perfil. E uma torcedora, de nome Jaqueline mostrou-se espantada com a decisão do time gonçalense.


- Não posso acreditar! Que ele recomece a vida dele em putra profissão! Não nessa que é uma profissão amada pelos brasileiros! Essa contratação é ridícula. Vai falar pra Elisa recomeçar a vida dela? E o menino sem mãe? Como vai recomeçar o sofrimento dele? - afirmou a torcedora.


Outros continuaram criticando a decisão, classificando a vinda do goleiro como "um absurdo".


Cartola envolvido em polêmica


A contratação de Bruno, no entanto, não é a primeira polêmica envolvendo o nome do empresário Maicon Villela. Em reportagem exibida pelo programa Esporte Espetacular, da "TV Globo", o dirigente foi flagrado em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça combinando resultados em jogos da Série C.


As denúncias eram sobre resultados em que o Atlético perdeu os jogos que disputou pela competição em 2019. Em uma dessa conversas, Villela chega a vibrar com uma das derrotas. O motivo é que um dos gols sofridos garantiu a ele uma quantia de R$ 800 em um site de apostas. Por causa das denúncias, ele foi banido do futebol pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Fferj). Deixou a presidência mas continua controlando o clube.