Juliana Benício: 'Vou priorizar gastos e resolver problemas sociais graves'

Candidata do Novo a Prefeita de Niterói é engenheira com especialização em Educação


Por Silvia Fonseca


Juliana Benício, candidata a Prefeita pelo Novo: seu lugar preferido em Niterói é toda a orla


“Quem sou veio dessa cidade. Nela tudo se fecha. Essa cidade vive em mim”. Juliana Benício resumiu assim sua relação com Niterói ao se lançar candidata do Novo a Prefeita. Tudo o que viveu aqui a levou a dizer que hoje, aos 43 anos e mais madura, vê uma “cidade partida”, com profundas desigualdades. E que acredita ter experiência em gestão para enxugar gastos e transformar Niterói numa cidade modelo.


A história dela é assim, conta Juliana: é uma Engenheira de Produção com especialização em gestão de Educação, mãe de quatro filhos. Nasceu no Hospital São Paulo, que ficava no Ingá. Seu primeiro lar foi na Miguel de Frias. A mãe a levava para pegar sol todos os dias no calçadão de Icaraí. No Jardim de Infância, estudou no Recreio Infantil, na Joaquim Távora. Foi morar em São Francisco aos 7 anos e lá viveu 19 anos na Rua Tapajós. Seu maior programa era ir ao Country Club, em Pendotiba, aos sábados. Os domingos eram na casa das avós: uma morava na Praia de Icaraí e outra na Presidente Backer. Que já alagava, contou ainda.


Fez o vestibulinho do Abel e estudou lá a maior parte da vida. Sua melhor amiga era do Fonseca, e adoravam ir ao zoológico. Fez balé com Renne Simon, estudou pintura com Andrea Carp, se apresentou no teatro da UFF, frequentou Le Vilage em Itacoatiara, na adolescência. Ouvia a rádio Fluminense, a Maldita. Fez graduação em Engenharia de Produção, mestrado em Economia, doutorado em Engenharia, sempre na UFF, e especialização em Gestão Educacional.


Casou cedo e morou 13 anos na Região Oceânica, num terreno com vista para a Lagoa de Piratininga. Assumiu sua primeira coordenação como gestora educacional na UniLaSalle, em Santa Rosa. Depois na Cnec e na UFF. Hoje trabalha no IFRJ, campus Niterói, e mora no Ingá. Fez graduação, mestrado e doutorado na UFF. E hoje e mora no Ingá.


Em entrevista ao A Seguir: Niterói, Juliana contou mais:


A Seguir: Por que quer ser Prefeita de Niterói?

Juliana Benício: Porque tenho experiência profissional para conduzir uma gestão complexa como a Prefeitura. Porque estudei a fundo a nossa atual gestão e sei que Niterói tem o potencial para ser uma das melhores cidades do Brasil, e, hoje, não consegue ter indicadores aceitáveis nem dentro do estado do Rio de Janeiro.

Porque sou uma pessoa que valorizo minhas raízes e amo profundamente a cidade onde nasci, cresci, estudei e crio meus filhos.


Porque quero um futuro melhor para meus filhos e percebi que, se eu não lutar por ele, vou me arrepender muito quando chegar na reta final de minha vida.


O que, por sua formação, pode fazer pela cidade?


Sou Engenheira de Produção, com mestrado em Economia e Doutorado em Engenharia de produção. Também tenho especialização em Gestão Educacional. A Engenharia me ensinou a evitar desperdícios e achar soluções de forma rápida e pragmática. Niterói hoje vive em uma gestão inchada, com obras superfaturadas, e enfrenta problemas históricos como, por exemplo: educação de baixa qualidade, alagamentos, ocupação irregular e trânsito. Um engenheiro pode ajudar a cortar esses gastos desnecessários da máquina pública, desenvolver mecanismos de gestão que garantam licitações íntegras e conduzir soluções viáveis para nossos problemas. A Economia me ensinou que existe ciência por trás da busca pela dignidade humana, não basta querer. Os recursos são escassos e a gestão pública pode, sim, garantir a dignidade humana, caso tenha corpo técnico capacitado e não se venda ao assistencialismo.


Niterói é uma cidade partida, onde muitas pessoas ainda vivem no esgoto, esperam por uma consulta médica por um ano, morrem sentadas esperando leito. É preciso priorizar os gastos e resolver definitivamente esses problemas sociais graves e inaceitáveis para um município bilionário como Niterói.

A educação, por último, mas não menos importante, me ensinou a lidar com gente. A amar as pessoas, a ouvi-las e aprender com elas. A atual gestão municipal é autoritária, só ouve o seu curral eleitoral e o alimenta com cargos e dinheiro público. É preciso resgatar urgentemente a democracia e o poder da construção de um futuro a partir de visões distintas, desaparelhada e com foco no cidadão. Um prefeito tem que ser prefeito para todos e não só para aqueles que ele mantém sob o seu domínio, como faz a administração atual da cidade.


Qual seu principal projeto?


Sem dúvida o que vai me proporcionar entregar um serviço de qualidade ao cidadão será a reforma administrativa descrita em meu plano de governo. Enxugar e desaparelhar a máquina, acabar com funcionários fantasmas, implantar um governo digital e transparente e compor uma equipe com pessoas técnicas é o que me garantirá uma gestão capaz de entregar serviços de qualidade a um custo honesto ao cidadão. É só a partir daí que surgem todos os demais projetos para a cidade. O que acontece hoje é que o governo atual está tão corrompido e inchado que não consegue entregar o básico ao cidadão: faltam mobilidade, educação, acesso à moradia digna, segurança, mobilidade.


Que marca gostaria de deixar para a cidade?


Niterói se tornar referência nacional em educação pública e atendimento de saúde. Uma educação verdadeiramente emancipadora e provedora de oportunidades. E uma saúde pública que realmente atenda e trabalhe na prevenção. Com esses dois eixos não tenho dúvidas de que a qualidade de vida do niteroiense dará um salto enorme.


Qual seu lugar favorito em Niterói? A melhor expressão da cidade ou o seu refúgio?


Amo toda a orla de Niterói. O pôr do sol muda em cada praia, mas é deslumbrante em todas. Somos privilegiados de poder ter uma vista como a da nossa orla, ela nos lembra o tempo todo do quanto somos pequenos diante da magnitude de Deus. E essa orla ainda me traz o ideal do que deve ser uma cidade para todos, pois é um espaço público democrático no qual todos temos o mesmo direito de ver o pôr do sol. O parque da cidade é um lugar emblemático. De lá você pode ver: as praias oceânicas e da Baía, o MAC, as lagoas, a cidade do Rio de Janeiro, a Ponte Rio-Niterói. Pode ver gente chegando andando e saindo voando. Pode contemplar, conversar, fazer esporte. Ele é plural e representa o que uma cidade deve ser.


Quem estará no governo com a senhora? O assessor, o colaborador mais próximo, a pessoa de confiança, o primeiro secretário que vai nomear?


Quem for muito bom tecnicamente, mas que, principalmente, entenda o significado da palavra “SERVIR”. Ocupar um cargo público é uma missão importantíssima e buscarei pessoas que querem deixar um legado para sua sociedade. Não importa partido ou o ideal político, quem puder entregar um serviço de excelência ao cidadão será bem-vindo no meu governo. O niteroiense merece o que há de melhor e vou buscar esses melhores onde eles estiverem. Todos passarão por processo seletivo, salvo meu vice, que já foi avaliado em processo interno do partido. Não prometi cargo para ninguém. Hoje admiro tecnicamente algumas pessoas e sei que elas poderão agregar muito à cidade, mas isso será tratado depois de eleita. Como falei, vamos montar uma equipe de excelência, focada nos resultados e no melhor que pode ser entregue ao cidadão. Esse deve ser o espírito dessa equipe.



© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.