Médico de Niterói lamenta atos contra isolamento: 'Estão defendendo o vírus'

Na linha de frente do combate à Covid-19 há um ano, Pedro Archer fez um desabafo pedindo colaboração

Reprodução/Facebook


Depois de um ano na linha de frente daquilo que chamou de "guerra" contra a Covid-19, o cirurgião-geral Pedro Archer publicou um desabafo sobre os atos contra o isolamento. Na mensagem, o médico, que é Presidente da Beneficência Portuguesa de Niterói, se mostrou desanimado com as manifestações que pediam abertura da cidade e chegou a declarar que esse tipo de atitude beneficia o vírus.


Leia mais: 40% dos pacientes internados em Niterói são de outros municípios, mostra estudo


— Infelizmente, eu recebo esse tipo de notícia de pessoas se aglomerando pra defender o vírus, praticamente. Defendendo o cancelamento das medidas de combate à pandemia — lamentou Archer.


O médico relatou, ainda, a dificuldade que os sistemas hospitalares do Brasil estão enfrentando. Falou sobre a exaustão dos profissionais da saúde e dos casos de reinfecção, que causam o afastamento dos trabalhadores e pioram o colapso.


— Nós, profissionais da saúde, que estamos há um ano na linha de frente dessa guerra, estamos exaustos, estamos esgotados. Temos relatos de profissionais se reinfectando, ou seja, menos pessoas na linha de frente — afimrou.


O desabado de Pedro Archer foi publicado nas redes sociais da Prefeitura de Niterói, depois que um grupo protestou na Praia de Icaraí contra as medidas de isolamento impostas pela cidade. Foram motivados pela decisão do município de prorrogar o período emergencial, diante da pressão que a pandemia tem causado no sistema hospitalar, dos novos casos e das mortes.


— Eu acho que a única maneira de a gente vencer essa guerra é se unindo contra o vírus e não indo pra rua se aglomerar pra defendê-lo — finalizou o cirurgião.