Marco Lucchesi: 'UFF foi essencial, um divisor de águas na minha vida'

Presidente da ABL recorda seu tempo na UFF, que completa 60 anos nesta sexta e onde se formou em História


Por Livia Figueiredo

Presidente da ABL, reeleito pelo quarto mandato, relembra sua vida acadêmica e o impacto da UFF e seus 60 anos de existência / Foto: Reprodução da Internet


Referência nacional, a Universidade Federal Fluminense completa 60 anos nesta sexta-feira, 18 de dezembro, e o A Seguir: Niterói preparou uma série de depoimentos de grandes personalidades da cidade, professores e ex-alunos que fizeram parte da história da Universidade. Um desses nomes é Marco Lucchesi, reeleito para o quarto mandato como presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL).


Graduado em História pela UFF, o presidente da ABL doou alguns quadros valiosos do seu acervo pessoal para a Universidade pelo aniversário de 60 anos. E também reduziu sua biblioteca particular com a doação de quatro mil obras para a biblioteca da UFF.


Da UFF, Lucchesi guarda na memória afetiva professores que colaboraram para a sua formação profissional e uma série de lembranças que o incentivaram a seguir sua trajetória de eterno pesquisador e estudioso. Lucchesi fala cerca de 20 idiomas. É poeta, romancista, memorialista, ensaísta, tradutor, editor e, naturalmente, um grande entusiasta da Literatura.


Para o presidente da ABL, a UFF ocupa um lugar crucial na sociedade não só pela qualidade do ensino, mas pela sua capacidade de reunir em um só local grandes pensadores do Brasil e do mundo.


- Eu trago sempre em mim, e acho que isso não se apaga nunca, uma relação de eterna gratidão. No discurso que eu fiz na Academia Brasileira de Letras eu citei a UFF, muito inspirado pela professora Lívia Barbosa, que me introduziu na Antropologia e no Lévi- Strauss. A UFF foi determinante na minha vida. Primeiro, pela qualidade da Universidade de modo geral e, particularmente, do curso de História. A UFF traz de forma estratégia e muito inteligente os grandes nomes que pensavam o Brasil, o mundo. Seria muito difícil eu dizer um único nome de um professor que tenha marcado a minha trajetória, mas eu posso dizer que a UFF foi absolutamente essencial, um divisor de águas, como as grandes universidades tendem a ser. Eu já doei quatro mil livros do meu acervo para o Centro de Memórias da UFF. Eu dei os meus livros mais amados, arrancados da minha alma, mesmo. A UFF é uma alma mãe para mim e eu quis devolver isso de alguma forma - declara Marco Lucchesi, presidente da ABL.