Mercado de Peixe São Pedro tem longas filas e funciona com restrições

Apesar de ser recomendado o delivery por causa do pior momento da pandemia de Covid, niteroienses enfrentam fila para entrar no mercado

Fila do lado de fora do Mercado São Pedro, na Ponta da Areia, em Niterói


Nem as restrições ou o fato de Niterói estar no seu pior momento da pandemia têm inibido o consumidor de ir pessoalmente fazer suas compras no tradicional Mercado de Peixe São Pedro, na Ponta da Areia, nesta Semana Santa. Mesmo com peixarias e restaurantes oferecendo o serviço de entrega, muitos clientes têm preferido fazer suas compras presencialmente, o que está causando grande fila na entrada, nesta quarta-feira (31).


Leia também: Niterói vive pior momento da pandemia, com risco de colapso hospitalar


Um dos comerciantes relatou que o movimento tem aumentado a cada dia, e que a expectativa é que fique ainda maior até o fim de semana por causa da Páscoa.


Regras e horários de funcionamento


Para entrar é obrigatório estar usando máscara, e o espaço disponibiliza álcool em gel. Crianças menores de 12 anos não são permitidas, e o número de pessoas que podem circular dentro do mercado é restrito. Um dos comerciantes explicou que a fila se deve ao trabalho dos fiscais e da guarda municipal:


- Tem vários fiscais. Está essa fila porque os fiscais não estão deixando entrar muita gente. Mercado São Pedro não é bagunça, não.



O comerciante contou que o horário que fica mais vazio é o da parte da tarde. Os boxes vão funcionar até sábado das 6h às 14h, e no domingo de 6h às 13h.


Já os restaurantes, famosos e sempre cheios nos fins de semanas, estão funcionando apenas para entrega também por causa da pandemia e das restrições municipais e estaduais.


Preço do pescado


Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca), os preços do peixe nacional para a Páscoa de 2021 permanecem estáveis em comparação com os do Natal de 2020. No Box Bacalhau, bolinhos e afins, no Espaço A do mercado, o bacalhau do Porto está custando R$ 155 o quilo. Uma opção menos nobre é o bacalhau popular, indicado para fazer o típico bolinho, por R$ 65 o quilo, e o consumidor pode levar dois por R$ 120.


Namorado e dourado, opções sem espinha, variam de boxe para boxe: no 110, o quilo do namorado médio está a R$ 27,99. No boxe 108, é um pouco mais salgado: R$ 39,99. Já o dourado, nos mesmos lugares, fica por R$ 24,99 e R$29,99.

A tilápia, que representa 60% da aquicultura no Brasil, está tendo maior saída este ano, com o quilo variando entre R$16 e R$ 19 reais.