Morre, aos 64 anos, o jornalista e ambientalista Vilmar Berna, vítima de Covid-19

Morador de Niterói, Berna foi um dos pioneiros do jornalismo ambiental no país e chegou a ser premiado pela ONU

Vilmar Berna morreu vítima de Covid. Reprodução


Morreu, nesta sexta-feira, o jornalista e escritor Vilmar Berna. Ele estava internado desde 20 de março, lutando contra a Covid-19. Morador de Jurujuba, ele foi um dos pioneiros do jornalismo ambiental no país, e dedicou a vida ao tema da sustentabilidade. Berna também atuou como consultor técnico das prefeituras de Niterói e São Gonçalo e da Alerj.


O prefeito Axel Grael usou as redes sociais para lamentar a morte de Vilmar Berna e expressar solidariedade à família.


"Quero expressar aqui a minha tristeza com a notícia da partida do Vilmar Berna. Ele sempre fez parte da minha trajetória como ambientalista. Obrigado Vilmar. Que siga em frente, agora em lutas mais elevadas. Aos familiares, meu carinho e solidariedade".


Vilmar Sidnei Demamam Berna se tornou militante da causa ambiental na década de 80 e acabou virando referência na área. Em 1999, se tornou um dos três únicos brasileiros agraciados com o Prêmio Global 500. Apenas Chico Mendes e Betinho também receberam a honraria, dada pelas Nações Unidas a personagens de destaque em questões relacionadas à defesa ambiental.


Berna também foi criador da REBIA (Rede Brasileira de Informação Ambiental), fundador e editor do Jornal do Meio Ambiente, fazendo uma contribuição importante para a democratização da informação ambiental no Brasil.


Como consultor de meio ambiente e palestrante, o autor percorreu o país, sensibilizando o público para a importância da causa. Como técnico na Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, elaborou diversos projetos convertidos em leis.