Niterói dobra média diária de vacinação sem ampliar número de postos

Desde a inclusão do Clube Central entre os locais de imunização, demanda cresceu 109%; resultado é a formação de filas e aglomerações

Fila do Central se estendeu pela Rua Lopes Trovão na tarde de segunda. Livia Figueiredo


As aglomerações nas unidades de saúde de Niterói viraram uma rotina que expõe ao coronavírus tanto idosos e trabalhadores de saúde em busca de imunização, quanto funcionários da Prefeitura, que atuam na campanha. O motivo fica cada vez mais claro: foi em 8 de março a última vez que o município incluiu mais um local na lista de pontos onde há vacina, o Clube Central. Mas, deste então, a demanda mais que dobrou.


Leia mais: Niterói entra na Justiça para garantir o uso da Sputnik V na cidade


O Clube Central, aliás, se tornou um dos postos de maior destaque nessa campanha, não só pela localização privilegiada, mas também pelas longas e crescentes filas de candidatos à vacina. Elas dobram quarteirão e colocam em xeque a capacidade de planejamento da Prefeitura de Niterói, que segue com apenas nove locais de imunização contra a Covid.


Quando o Central foi incluído na lista de postos, a média de aplicações de primeira dose por dia, naquela semana, foi de 1.646 — entre 5 e 10 de março. Atualmente, a demanda é nada menos do que 109% maior. Entre 5 e 12 de abril (antes da interrupção de três dias por falta de vacinas), a média de aplicaçõs de primeira dose ficou em 3.456. Além da redução da faixa-etária, que amplia naturalmente a procura, a Prefeitura incluiu trabalhadores da saúde no público-alvo.


Depois de semanas de questionamentos constantes sobre a possibilidade de ampliar os postos de vacinação — mais especificamente desde a inclusão do pessoal da saúde no cronograma — , a Prefeitura de Niterói respondeu à reportagem que "há um planejamento para aumentar não só as equipes de vacinação, mas também os pontos que oferecem a vacina, por conta da ampliação dos grupos de imunização".


Enquanto a ampliação não vem, vale a recomendação modesta dos funcionários da saúde que trabalham nos postos, de que as pessoas evitem período da manhã.