Niterói tem demanda por UTI triplicada em comparação com dezembro

Na cidade, 175 a cada mil pacientes precisaram de terapia intensiva em março; em dezembro, eram 57 a cada mil

Respirador de UTI. Divulgação/Prefeitura de Niterói


Dados da ocupação hospitalar divulgados pela Prefeitura de Niterói revelam o agravamento da crise sanitária na cidade. No mês de março, a cada mil pacientes contaminados pelo coronavírus no município, 175 precisaram de leitos de UTI para se recuperar. O número é o triplo do registrado em dezembro, na "segunda onda" da pandemia.


Veja também: Niterói volta a ter aglomerações em pontos de ônibus e coletivos lotados


Os números foram informados pelo próprio Secretário Municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, durante transmissão ao vivo do gabinete de crise, na noite desta segunda-feira. Segundo o titular da pasta, em dezembro de 2020, quando a cidade vivenciou um segundo período alarmante da pandemia, a cada mil casos confirmados de Covid-19, 57 pacientes precisavam de terapia intensiva.


Segundo Oliveira, o motivo para essa variação é a incidência de novas variantes do coronavírus, mais especificamente da P1. Embora não tenha confirmado claramente se a cidade já registrou algum caso da cepa de Manaus, o Secretário acredita que o novo comportamento da doença no município se dá pela circulação da mutação.


Veja também: Decreto restritivo é mais 'brando' do que o previsto no Plano do Novo Normal


— Essa variante tem maior transmissibilidade, mas também se identificou em paciente mais jovens em formas graves. Daí, nossos indicadores foram pressionados mais pela quantidade de pessoas precisando de UTI — afirmou.


Ainda em sua fala, Rodrigo Oliveira tentou esclarecer uma dúvida que ele afirma ser recorrente: o porquê do decreto do período emergencial, se o número de casos registrados ainda não era tão elevado, quanto em outros momentos da pandemia. Sobre isso, o titular da Saúde explicou que existe um tempo da doença e mais tempo ainda até que a situação seja refletida nos números oficiais.


— Algumas pessoas, com dúvida legítima, tentam entender o que aconteceu, mesmo com casos ou óbitos menores que em dezembro. É que situação que está grave agora vai demorar a aparecer nos dados — assegurou.