Niterói terá medidas restritivas revisadas e ampliadas por mais 15 dias

Decreto será publicado no próximo sábado; antes, Prefeitura pretende dialogar com os setores produtivos da cidade

Foto: Livia Figueiredo


Niterói pode se preparar para mais 15 dias de medidas sanitárias severas. A Prefeitura de Niterói prepara, para o próximo sábado, um novo decreto com a prorrogação das restrições. A informação foi confirmada em transmissão do Gabinete de Crise, na noite desta quinta-feira (18). O que abre e o que fecha, no entanto, não foi divulgado.


Leia mais: 'Está na hora de colocar alertas', diz especialista da Fiocruz sobre a pandemia em Niterói


— Esse decreto será revisado, mantendo restrições na nossa cidade, ampliando algumas atividades, algumas novas restrições — disse o Prefeito Axel Grael, sem detalhar o que muda. — Nós vamos ao longo do dia de amanhã conversar com alguns segmentos da sociedade e tomar as medidas que forem necessárias.


A cautela em informar sobre as novas restrições vem depois de a Prefeitura ver seu relacionamento com os empresários estremecido com a publicação do decreto anterior, em 5 de março. Na ocasião, os quiosques foram fechados e bares e restaurantes, obrigados a fechar às 18h. A reação foi tão forte, que o município, para acalmar os ânimos, adiou a vigência das determinações para depois daquele fim de semana.


Esforços para evitar colapso


Depois de falar sobre o decreto, o Prefeito passou a palavra para o Secretário Municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, que foi enfático ao falar da gravidade da pandemia no Brasil e de como a situação se agrava e também demonstrou preocupação com a alta no número de internações. De acordo com Oliveira, será necessário reduzir a circulação de pessoas para frear a taxa de contágio e evitar um cenário de colapso.


Alerta Laranja: Caso não reverta os indicadores, Niterói pode fechar mais de dez atividades


— Nessa escalada, se a gente não fizer nada, pode se juntar ao Amazonas, ao Paraná e ao estado de São Paulo num estado de colapso — afirmou. — É fundamental reduzir a circulação de pessoas e evitar o contágio, para que a gente possa passar pelas próximas semanas sem colapsar