Niterói vive carnaval com ruas vazias e sem folia

Atualizado: Fev 14

Em ano de pandemia, aglomerações foram proibidas em toda a cidade

Texto e fotos por Amanda Ares

Barcas às 16h deste sábado de carnaval


Este é o primeiro carnaval em quinze anos em que não haverá o tradicional desfile no Centro da Cidade. O primeiro aconteceu em 1946 e, após um período de declínio e paralisação em 1996, voltou a despontar na cidade dez anos depois, em 2006. A prefeitura proibiu os desfiles e qualquer festividade no feriado por causa da pandemia do novo coronavírus, e o sábado de folia não poderia ser mais atípico.


Leia mais: Carnaval em Niterói será com vacinação para idosos acima de 87 anos


Às 15h, a Alameda apresentava fluxo moderado de carros, mas o engarrafamento da subida para a região dos lagos já havia amenizado. Ônibus circulavam com poucos passageiros, que este ano usaram máscaras de proteção individual, ao invés das irreverentes fantasias de todos os anos.


Baia Riodades na Alameda São Boaventura, às 15h. Fluxo moderado e nenhum folião.


O Centro da cidade aparentava um típico sábado, com a maior parte do comércio fechado, e sem concentração de pessoas em mercados ou depósitos de bebidas como o de costume em um sábado de carnaval. As barcas também funcionaram no horário regular dos fins de semana e sem aglomeração, ou movimento de músicos nem grupos prontos para os blocos que tipicamente sairiam no Rio neste 13 de fevereiro, como o Cordão da Bola Preta e o Amigos da Onça. Não houve bloqueio de trânsito na rua da Conceição, e a não ser pela decoração em algumas lojas, era impossível deduzir que este era um sábado de Carnaval.


Rua da Conceição na tarde deste sábado, 13/02/2021


No Ingá e em Icaraí, nada dos desfiles com carros de som ou aglomerações, e a praça César Tinoco foi fechada. A Rua Miguel de Frias e a praia de Icaraí também estavam estranhamente tranquilas para a ocasião, o que mostra que o niteroiense respeitou as medidas de segurança e evitou aglomerações clandestinas.

Avenida Francisco Torres e rua Miguel de Frias


Nas redes, moradores da Região Oceânica denunciaram estabelecimentos cheios em Piratininga. Entretanto, a festa tradicional da Região Oceânica na Avenida Central foi cancelada, e o palanque não foi montado: “A Central tá tranquila, movimentação normal”, disse Thayná Soares, estudante de enfermagem e moradora da Serra Grande. Porém, parece que a população decidiu curtir a folga e se reunir nos restaurantes locais: “Os bares estão cheios. Acredito que essa semana que vai vir do carnaval vai ficar mais cheio, porque muita gente está de recesso em casas”, afirmou a moradora.



De volta ao Terminal, a baia das linhas 39 Piratininga, e as linhas da Viação Mauá que tipicamente levam foliões para a Zona Sul de Niterói e as áreas centrais no Rio, este ano estavam vazias. O 100 chegou a deixar o João Goulart sem passageiros, algo impensável em um ano normal. Do outro lado da Avenida Visconde do Rio Branco, o 750D trazia o aviso “Use Máscara” no letreiro, mas seguiu sem foliões fantasiados este ano.


Baia das linhas Piratininga e Centro do Rio.