Nova onda de Covid ainda não chegou a Niterói

Número de casos e taxa de ocupação dos hospitais privados permanece estável, em nível baixo



Niterói registra queda no número de casos, enquanto índices da doença crescem no Brasil inteiro, segundo a Fiocruz. Os dados são dos boletins diários da Prefeitura de Niterói


O Secretário de Saúde de Niterói, Rodrigo Oliveira, tem alertado, nas suas ultimas declarações, que Niterói tem que se preparar para o pior. Ele vê o que está acontecendo no Brasil e como a doença se aproxima do Rio. Ressalta que a nova onda da doença ainda não chegou a Niterói, mas a cidade precisa manter as regras de isolamento e proteção sanitária. A Prefeitura não descarta a possibilidade de adoção de medidas mais duras de controle social.


Os números mais recentes mostram que Niterói tem registrado, há duas semanas, as mais baixas taxas de novos casos, desde a escalada da doença, em abril do ano passado. Durante todo o período, Niterói raramente ficou abaixo de 400 novos casos. Na última semana, a Semana Epidemiológica 8, foram 389 casos, Na semana anterior, 376, de acordo com os dados dos boletins diários da Prefeitura, organizados pelo A Seguir: Niterói por semanas epidemiológicas, conforme padrão da OMS.


Esta linha imaginária que oscila em torno dos 400 novos casos por semana dá uma medida da dificuldade de controle da pandemia em Niterói. De acordo com a planilha que calcula os risco de contaminação na cidade, 400 casos situam Niterói no mais alto estágio de risco. Ou seja, desde o início da escalada da doença, Niterói jamais saiu deste patamar, que indica intensa circulação do vírus. Para chegar a um estágio de baixo risco, a cidade não poderia ter mais do que 120 casos novos em sete dias.


Número de novos casos de Covid por semana epidemiológica, de acordo com os boletins diários da Prefeitura de Niterói


A taxa de ocupação dos hospitais privados, divulga nesta terça-feira (2), permanece estável. Oitenta e dois leitos estão ocupados, 24% do total reservado para pacientes de Covid. Nas UTIs, 74 vagas estão ocupadas, 26% do total. Mesmo assim, os dados são acompanhados com atenção. Há apenas três semanas, no relatório de 18%, a ocupação era de 65 leitos (19% do total) e 51 das vagas de UTI ( 18%). Um aumento da ordem de 40% no casos das UTIs.


Preocupa também porque a situação do Rio de Janeiro tem piorado nas últimas semanas e de acordo com a Secretaria estadual de Saúde a ocupação hospitalar já está em torno de 80% na rede do Sus. A Secretaria de Saúde de Niterói, por sua vez, não informa a ocupação dos hospitais da rede do SUS. Esta semana, não divulgou os indicadores da Covid que são monitorados na cidade.


Os dados referentes ao número de mortes ainda continuam refletindo a segunda onda da doença, registrada a partir de novembro. Os dados divulgados pela Prefeitura no SIGeo por data e ocorrência dos óbitos, e não por data de notificação como aparece nos boletins diários, já concentra mais de 313 casos nos meses de novembro e dezembro - quase um terço do total de mortes na cidade desde o início da pandemia.


Nas estatísticas por data de notificação, usadas para o acompanhamento da pandemia em todo o mundo, Niterói confirmou na última semana a ocorrência de mais 21 mortes. A Prefeitura também não divulgou na terça-feira o boletim epidemiológico. Pelos últimos dados disponíveis, a cidade soma 29.352 casos da doença e 832 mortes.


Número de mortes, por semanas epidemiológicas, de acordo com dados dos boletins diários da Prefeitura de Niterói

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.