Novas variantes: 62,7% das amostras de Covid do Rio apresentam mutação

Cepas de Manaus, Reino Unido e África do Sul já foram detectadas em oito estados brasileiros, diz Fiocruz


A Fiocruz divulgou, nesta quinta-feira, mais um comunicado alertando sobre a preocupante transmissão das novas variantes do coronavírus pelo Brasil. Estudos mostraram que há novas cepas em circulação em pelo menos oito estados brasileiros, além do Amazonas. No Rio de Janeiro, 62,7% das amostras analisadas apresentaram a mutação do coronavírus.


Leia mais: Confira dez sinais de que Niterói se prepara 'para o pior cenário' da pandemia


As mutações (P.1, identificada inicialmente no Amazonas, B.1.1.7, no Reino Unido e B.1.351, na África do Sul) também foram encontradas pela Fiocruz em amostras dos estados de Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina Alagoas e Minas Gerais. Apenas nos dois últimos a prevalência de novas cepas foi inferior a 50% das amostras.


O novo protocolo de RT-PCR, desenvolvido pela Fiocruz Amazônia, foi utilizado nas unidades de apoio ao diagnóstico e centrais analíticas da Fiocruz para avaliação de cerca de mil amostras.


De acordo com a Fiocruz, diante da alta dispersão das novas variantes, seu Observatório Covid-19 reforça as diretrizes apontadas pelo Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), entre elas o lockdown, assim como a necessidade de aceleração da disponibilização de vacinas para ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), visando contribuir para a redução de casos e a probabilidade de aparecimento das mutações.


Veja a prevalência das novas variantes por estado analisado pela Fiocruz:


Ceará: 71,1%

Paraná: 70,4%

Santa Catarina: 63,7%

Rio de Janeiro: 62,7%

Rio Grande do Sul: 62,5%

Pernambuco: 50,8%

Alagoas: 42,6%

Minas Gerais: 30,3%