Novo lote de vacinas amplia a cobertura para 42,6% do público-alvo da primeira fase

Atualizado: Jan 23

Vacinas de Oxford e Coronavac somam 6,8 milhões de doses e serão incluídas no PNI


Vacinação em Niterói. Foto de Divulgação


A chegada de 2 milhões de doses da vacina da Oxford/AstraZeneca produzida na Índia e a liberação da Anvisa, na tarde desta sexta-feira, de mais 4,8 milhões de doses da Coronavac, envasada pelo Butantan, vão permitir que o Brasil dê sequência ao Plano Nacional de Imunização (PNI) nos próximos dias. Mas a cobertura vacinal ainda ficará em 42,6% do previsto para a primeira fase da campanha.


Leia mais: 'Prevenção só é possível com vacina e isolamento social', diz diretor do Niterói D'Or


Somando o novo lote de vacinas ao primeiro carregamento distribuído esta semana a estados e municípios, o Brasil tem, a partir desta sexta-feira, 12,8 milhões de doses em território nacional. A estimativa do Ministério da Saúde é de que o público-alvo da primeira fase é composto de 15 milhões de pessoas, que demandarão 30 milhões de doses.


De acordo com o Ministério da Saúde, a primeira fase do PNI é composta por profissionais de Saúde (5,8 milhões de pessoas), idosos com 75 anos ou mais (8 milhões), idosos com mais de 60 anos em instituições (156,8 mil), indígenas aldeados (419 mil) e comunidades ribeirinhas (286,8 mil).


Público-alvo foi reduzido


Como o PNI foi iniciado com poucas doses, o governo federal reduziu o público-alvo, restringindo a imunização entre profissionais da linha de frente e idosos em asilos. O primeiro lote, segundo estimativas, atendeu um terço dos profissionais de saúde do Brasil.


Em Niterói, as 23.340 de doses reservadas para a cidade, de acordo com a Secretaria de Saúde, permitiriam uma cobertura um pouco maior: 53% dos trabalhadores do setor.


Há uma expectativa de que o novo lote, que será distribuído a partir deste fim de semana, seja suficiente para concluir a imunização do grupo prioritário da primeira fase.