O Estado do Rio em Alerta Vermelho

Na Região Metropolitana II, o risco é moderado. Em Niterói, a taxa de ocupação das UTIs da rede pública chegou a 72%

A Mapa de Risco da Covid-19 estabelece Alerta Vermelho no estado do Rio de Janeiro, indicação de risco alto. Algumas regiões ainda apresentam risco moderado, com a Região Metropolitana II, onde está Niterói. Mas a região Centro-Sul está classificada com risco muito alto, Bandeira Roxa, diante do aumento de casos. óbitos e do esgotamento da capacidade de atendimento hospitalar.


A nota técnica produzida pela Secretaria Estadual de Saúde, pesquisadores de universidades e dirigentes de hospitais, indica que "o estado do Rio de Janeiro apresentou redução do número de óbitos (-10%), entretanto, houve aumento de casos de internações por SRAG (+20%) na comparação entre a semana epidemiológica (SE) 09/2021 e a SE 07/2021. As taxas de ocupação de leitos no estado foram de 82% para leitos de UTI e 65% para leitos de enfermaria, e ambas tiveram aumento."


No conjunto, o estado em alerta vermelho. Os resultados apurados para os indicadores apresentados nesta nota devem auxiliar a tomada de decisão, além de informar a necessidade de adoção de medidas restritivas, conforme o nível de risco de cada região.


As regiões Serrana, Noroeste e Metropolitana I estão classificadas com risco alto e as regiões Litorânea, Metropolitana II, Médio Paraíba, Norte e Baía de Ilha Grande estão classificadas com risco moderado. A análise compara a semana epidemiológica 09 (de 28 de fevereiro a 06 de março) com a 07 (14 a 20 de fevereiro) de 2021.


A Secretaria de Estado de Saúde informa que vem trabalhando para aumentar a oferta de leitos e, neste mês, abriu 98 leitos, sendo 93 de UTI. Além disso, a Secretaria publicou um chamamento público para contratar 300 leitos na rede privada, sendo 100 de UTI, nesta sexta-feira (19.03). O processo de licitação para abertura de 150 leitos no hospital modular de Nova Iguaçu está em andamento, e a abertura da unidade está prevista para abril. O Governo do Estado recomendou às prefeituras que se unam em uma força-tarefa para a abertura de vagas e que elas sejam disponibilizadas na central de regulação unificada.