Isolamento social é a melhor barreira para deter a Covid, em Niterói. FIQUE EM CASA!

Dois metros de distância é o suficiente para deter o Coronavírus. A taxa de isolamento na cidade precisa ser entre 60% e 70%



Niterói precisa atingir uma taxa de isolamento entre 60% e 70%, durante os dez dias de emergência, para deter o avanço das Covid, no pior momento da pandemia, em todo o Brasil. A estimativa é do professor da UFF e diretor do Instituto de Saúde Coletiva da instituição, Aluísio Gomes da Silva, um dos integrantes do Comitê Científico criado em Niterói para acompanhar a situação da Covid na cidade.


Na semana passada, apesar de já existirem medidas de isolamento em vigor, a taxa oscilou entre 32 e 35. Mas os números melhoram no fim de semana, e chegaram a 45%. Depois disso, não foram atualizados pela Prefeitura. Em maio, quando a cidade estabeleceu uma espécie de lockdown, o índice de isolamento, medido pelas informações obtidas através dos telefones celulares, chegou a 62%.


Nesta sexta-feira, Niterói fecha shoppings, comércio não essencial, praias, bares e restaurantes, entre outros estabelecimentos e atividades, para tentar conter o avanço da Covid-19.


Leia também: Entenda as diferenças entre lockdown e isolamento


Com a rede hospitalar da cidade ameaçada de colapso, o especialista diz que o índice ideal seria de 100% de isolamento, mas que sabe que "não é possível chegar a esse número". Por isso, afirma que se a adesão ao "fique em casa" superar 70% já será "um grande sucesso a estratégia".


O professor cita exemplos de outros lugares do mundo e até mesmo cidades brasileiros onde a medida deu certo.


- Niterói deve se guiar pelo exemplo de lugares que recentemente tiveram queda no número de internações graças ao lockdown. Aqui no Brasil mesmo há exemplo, como foi o caso de Araraquara, no interior de São Paulo. Hoje a situação se encontra muito mais controlada na cidade - afirmou o diretor do ISC. De fato, houve redução de mais de 57% dos novos casos, queda de 31% nas internações e diminuição de 39% das mortes, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Araraquara.