O sabor da retomada em Niterói - a gastronomia na crônica de Tatiana Clébicar

Atualizado: Fev 22


Novos restaurantes e cafeterias abrem as portas e apostam no prazer da gastronomia para recuperar a alegria que pandemia levou


A barca de ceviche do Lima aportou na orla de São Francisco. Foto: Divulgação/Menta Foods


Os efeitos da Covid-19 ainda vão custar a passar, mas um setor específico acredita que

novos sabores são capazes de ajudar a cidade a voltar a sorrir. Apesar de todas as

dificuldades e tomando os cuidados determinados pelo poder público, chefs e

empreendedores da gastronomia apostaram em Niterói para (re)abrir restaurantes e

cafeterias. Segundo a Secretaria de Fazenda, durante a pandemia, 159 novos

estabelecimentos com esse perfil formalizaram a inscrição municipal. No mesmo

período, entre março e janeiro, 32 casas pediram baixa do alvará. Embora não

corresponda à realidade de forma fidedigna porque é comum comerciantes fecharem as portas e só mais tarde darem entrada no processo de encerramento da empresa, o

número aponta para onde os ventos sopram.


Chocolates da Cacau Noir chegaram a Niterói em novembro. Foto: Roberto Torterolli


Foi para cá que os ventos trouxeram o cheiro de chocolate da Cacau Noir. Fundada em

2004, no Rio, a casa começou adoçando casamentos com delicados bombons. Um ano

depois abriu um quiosque num shopping no Leblon e só fazia crescer até a chegada do

novo vírus. Trocou a matéria-prima belga pelo cacau brasileiro e transferiu sua fábrica

para São Paulo, onde havia feito os últimos investimentos. A pandemia resultou no

fechamento de três pontos paulistas, mas acabou por favorecer um projeto antigo:

atravessar a Ponte com ganaches (R$ 2,90), trufas (R$2,90), macarons (R$ 4,90) e

barras com percentuais de cacau variados (R$ 7,90 a R$ 21,90). Em novembro, a

chocolateria se instalou no Plaza Shopping e desde então a loja de Niterói, que entrega

pelo Ifood, já ocupa um dos cinco lugares no ranking da marca.


– Usamos um cacau fermentado de alta qualidade, oriundo da nossa própria fazenda na Bahia e de uma rede de pequenos produtores paraenses, com quem definimos uma série de protocolos que incluem desde a forma adequada de fermentação até questões de cultivo sustentável e compromissos sociais, como a educação das crianças da

comunidade – explica Adriana Wiltgen, uma das sócias, que elege, entre tantas

preciosidades as que têm recheio de pimenta ou caramelo com flor de sal, as

suas preferidas.


– Sou fã do palet noir, feito com chocolate a 63%, e do nosso sorvete, disponível apenas em algumas lojas. Fizemos questão de trazê-lo para Niterói.


O lockdown em março decretou o encerramento das atividades do Yokawa, japonês de

Charitas, mas não o fim dos cortes frescos e precisos que saem das mãos Fagner e

Francisco Eves. Paraibanos de Jericó, eles chegaram ao Rio em 2007, passaram pelo

Yumê, no Jardim Botânico, e comandaram o sushi bar de diferentes filiais do Grupo

Pão de Açúcar até abrirem o próprio negócio em 2014, na Praça Dom Orione. Em

agosto do ano passado, os irmãos mudaram de endereço e de conceito. No Jardim Icaraí, o novo Sask aboliu o salão e prioriza entregas. Além do roll de camarão empanado, salmão, cream cheese e ovas de massago que dá nome à casa (R$ 28), o cardápio inclui combinados que variam de dez (R$ 28) a cem peças (R$ 199).


Combinado do Sask Sushi. Foto: Divulgação


Caminho inverso fez o chef Marco Espinoza ao voltar à cidade, desta vez na orla de São

Francisco. O peruano Lima havia funcionado em 2015 no Jardim Icaraí, servindo

ceviches que voltaram às mesas desde dezembro em barcas, com porções

maiores para compartilhar (R$ 49 a R$ 72). A carta de bebidas também trouxe

novidades saídas do "pisco bar". El periodista (R$ 32) leva o destilado andino macerado

com frutas vermelhas, suco de cranberry, limão, hortelã e dedo-de-moça.


– Achamos um ponto arejado com opção de aproveitarmos a área externa. Queríamos

uma operação pequena, focada no delivery. No entanto, as pessoas passaram a vir e a

gostar e, com isso, a casa já está até ficando pequena para o público local – conta

Marcos, que investiu em embalagens seladas para garantir o frescor dos pescados nos

pratos de base crua.


Também em dezembro, três amigos de meia idade se empenharam na inauguração do

Café pelo Mundo. A casa, em Icaraí, propõe trazer experiências ligadas à bebida ao

redor do planeta. Além de xícaras de cafés raros como o capixaba Jacu Bird (R$ 39),

obtido depois que o grão é digerido – e expelido – pela ave nativa, o cardápio inclui

drinques gelados (R$ 9,90 a R$ 25) e brunches servidos como em Nova York (R$

33,90), Paris (R$ 28,90) ou Istambul (R$ 35,90). Ele propõe uma viagem sensorial

enquanto decolar de fato é arriscado.


– Nossa intenção é trazer os sabores que as pessoas experimentam ao tomar café nessas cidades – diz Ricardo D’Ávila ao lado do sócio e parceiro Renato Silva, chef e barista.


Nova York é aqui: brunch do Café pelo Mundo, em Icaraí. Foto: Divulgação


A recente chegada da vacina, ainda que em parca quantidade, trouxe uma lufada de

esperança e mudou o estado de espírito dos frequentadores do Malbek, no Jardim Icaraí. Especializado em carnes e vinhos, o restaurante vive só agora sua inauguração. Dias antes do lockdown, a casa havia se mudado da Moreira Cesar para a Cinco de Julho e chegou a funcionar por apenas uma semana. Durante os meses de portas cerradas, Sandro Pietro Belli investiu em pratos que “viajassem” bem, como o linguine de palmito com camarões (R$ 38,50) e a kafta com arroz de lentilhas e cebola crispy (R$ 35,10).

Também cuidou de escolher embalagens ecologicamente corretas que mantêm

grelhados, como o bife ancho (R$ 72), suculentos por mais tempo.


– Ampliamos o cardápio, especialmente de pratos executivos, pela procura. Muita gente

só está vindo conhecer o restaurante agora. A varanda tem sido mais procurada para o

happy hour, assim como nosso Espaço Malbek, reservado para pequenos grupos – diz

ele, ressaltando que a capacidade permanece reduzida. – Após o início da vacinação,

observamos uma mudança. As pessoas estão mais esperançosas.



Carnes grelhadas são o destaque do Malbek, que reabriu no Jardim Icaraí. Foto:

Divulgação


Anote:

Cacau Noir: Plaza Shopping, 2º piso, Centro. Tel.: 3492-1495.

Café pelo Mundo: Rua Presidente Backer 134, Icaraí. Tel.: 3843-0808

Lima Cocina Peruana: Avenida Quintino Bocaiúva 151, loja 106, São Francisco. Tel.: 

3617-7419

Malbek: Rua Cinco de Julho 305, Icaraí. Tel.:  3587-8680

Sask Sushi: Rua Nóbrega 90, loja 206, Jardim Icaraí. Tel.: 3587-4009


Tatiana Clébicar é jornalista, moradora de Niterói e apaixonada pela cidade. Entre muitas atividades, trabalhou no jornal O Globo e escreveu críticas de gastronomia. Agora, no A Seguir:Niterói, realiza um projeto antigo de escrever sobre duas coisas gosta: comida e Niterói. Nas próximas semanas, Tatiana falará dos restaurantes da cidade, dos chefs e da gente que dá vida a nossos melhores sabores e lembranças. Neste cardápio também entram drinks, cafés e até sorvetes! Neste momento de pandemia, quando ainda estamos todos "na fila da vacinação", prefere enfocar serviços que permitam o consumo em casa. Comida e saúde, uma boa combinação. A desfrutar.