Ocupação de leitos de UTI Covid públicos e privados chega a 92% em Niterói

Município atribui o alto percentual à possível incidência de novas variantes na cidade

Setor Covid do Hospital Carlos Tortelly em abril de 2020. Reprodução


A taxa de ocupação dos leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes Covid chegou a 92% nas redes pública e privada de Niterói. Os dados foram atualizados pela própria Prefeitura de Niterói, nas redes sociais e no painel do Governo do Estado que apresenta os números da central de regulação.


Leia mais: Pandemia se agrava em Niterói, e indicador síntese chega a 11,88


Quanto aos leitos de enfermaria públicos, 83% estão ocupados. Município não descarta a possibilidade de que novas variantes estejam circulando na cidade.


"Estamos internando três vezes mais hoje pela Covid-19 em nossa cidade a cada mil novos casos registrados do que em dezembro do ano passado, reforçando a hipótese de que temos a nova variante do coronavirus circulando em Niterói, promovendo o aumente de internações em UTIs, atingindo uma faixa etária menor e apresentando casos mais graves do que o vírus original", diz a publicação feita nas redes sociais da Prefeitura de Niterói.


Nos municípios vizinhos a Niterói a situação também é alarmante. O painel da Secretaria Estadual de Saúde mostra que, em Maricá, não há mais leitos de enfermaria disponíveis na central de regulação estadual e a taxa de ocupação dos leitos de terapia intensiva chegou a 94%.


Em São Gonçalo, os dados atualizados mostram ocupação de enfermaria de 56% e de UTI de 56%.


Indicador síntese em alta em Niterói


Em Niterói, a ocupação hospitalar é um dos fatores que mais têm contribuído para a piora no indicador síntese, que posiciona a cidade nas categorias do Plano de Transição para o Novo Normal. Na manhã desta sexta-feira, a Prefeitura informou que a nota da cidade saltou de 10,50 para 11,88 em uma semana.


Com indicador acima de 10, o município entra em Alerta Laranja, que pelo Plano do Novo Normal exige fechamento de mais de dez atividades econômicas. Atualmente, a cidade se encontra no período de vigência de um decreto restritivo equivalente ao alerta máximo.