Ocupação de UTIs privadas vai a 82% em Niterói e a 97% em São Gonçalo

Atualizado: Mar 25

Ocupação dos hospitais cresceu quatro vezes desde o início de fevereiro e cidade ainda recebe pacientes de municípios vizinhos



A taxa de ocupação das vagas de UTI em Niterói continua a crescer: chegou a 82% dos quartos reservados para doentes de Covid nos hospitais particulares. Na semana anterior, apenas 50% da capacidade estava ocupada. Um aumento de 60% em apenas sete dias, um dado preocupante na análise epidemiológica, pela velocidade do avanço da doença.

A informação aparece no relatório semanal do sindicato dos hospitais particulares de Niterói e São Gonçalo, o SINDHLESTE, divulgado nesta quarta-feira (24). Em São Gonçalo, a ocupação das UTIS particulares subiu de 64% para 97% - um crescimento de 67% em sete dias, que deixa a rede particular perto do colapso. A ocupação dos hospitais das cidades vizinhas é relevante, uma vez que os pacientes da Região Metropolitana, quando não encontram atendimento em suas cidades, são remanejados para outros municípios.


O boletim dos hospitais particulares mostra que a taxa de ocupação dos quartos reservados para Covid em Niterói passou de 47% para 74%, um crescimento igualmente expressivo, de 63%. Em São Gonçalo, foi ainda pior: de 28% para 70%, mais que o dobro da semana anterior.


Leia mais: 'Situação, infelizmente, é muito grave', admite Secretário de Saúde de Niterói (aseguirniteroi.com.br)


Depois da segunda onda, no final do ano, a taxa de ocupação havia caído fortemente e em 9/2 o SINHLESTE registrava 63 internações em leitos (19%) e 50 em UTIs (18%). A queda não durou muito: em menos de um mês a doença voltou encher os hospitais. Os números registrados agora representam crescimento de mais de 400%; quer dizer, hoje, há quatro vezes mais gente internada do que no início do mês.


A ocupação maior de UTIs do que de leitos hospitalares tem sido uma característica deste momento da doença, quando estão circulando no Brasil novas variantes do coronavírus, muito mais contagiosas e mais graves. Muitos doentes quando procuram o hospital são logo encaminhados para a UTI diante do avanço da doença.