OMS: Há esperança de vacina contra Covid estar pronta ainda este ano

Diretor-geral não disse, porém, que se imunizante poderia ser aplicado já em 2020


No mundo todo, corrida pela vacina contra a Covid continua


A corrida pela vacina contra a Covid-19 no mundo está acelerada. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse nesta terça-feira (5) que há esperança de uma vacina contra a Covid-19 ficar pronta, com todos os testes concluídos e sua eficácia comprovada, até o fim deste ano ano. Ele não disse, porém, qual dos imunizantes em fase de testes no mundo poderia ter aprovação para evitar a infecção pelo coronavírus ainda em 2020.


Leia também: OMS: Uma em cada dez pessoas já pode ter sido infectada pelo Covid-19

A declaração de Tedros, porém, não faz referência direta à distribuição de uma vacina até dezembro de 2020. A OMS tem alertado para as dificuldades logísticas para uma estratégia de vacinação em todo o mundo.


Leia também: “Estamos fazendo história”, diz médico que testa vacina contra Covid em Niterói

Em encontro na Suíça, o diretor-geral da OMS também fez um apelo aos líderes mundiais para que uma imunização global, tão logo se comprove a eficácia de uma vacina, seja possibilitada.


— Especialmente no caso das vacinas e outros produtos que estão em desenvolvimento, a ferramenta mais importante é o comprometimento político de nossos líderes mundiais, principalmente para a distribuição igualitária das vacinas. Nós precisamos uns dos outros, de solidariedade. Usaremos toda a energia que temos para combater o coronavírus — afirmou Tedros.


Segundo a OMS, nove vacinas em fase de testes fazem parte da coalizão Covax, coordenada pela entidade para apressar o desenvolvimento de imunizantes e possibilitar a universalização do produto. A aliança estima que conseguirá distribuir 2 bilhões de doses até o fim do próximo ano.


Leia mais: Niterói começa a testar vacina contra Covid-19 em voluntários


O Brasil já aderiu à Covax. Ao todo, vacinas de quatro laboratórios são testadas em larga escala no país: AstraZeneca (em parceria com a Universidade de Oxford, do Reino Unido), Sinovac Biotech (China), Pfizer/BioNTech (EUA/Alemanha) e Johnson & Johnson (EUA/Bélgica).


728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.