Pequenos, mas cheios de planos. As propostas do PSTU, PMB e DC

O A Seguir: Niterói completa a série de entrevistas com os candidatos à Prefeitura de Niterói

Por Lívia Figueiredo


Sérgio Perdigão, PSTU; Renata Esteves, PMB; e Tuninho Fares, DC,


Durante toda a semana, o A Seguir Niterói entrevistou os candidatos à Prefeitura. Deuler da Rocha; do PSL, Juliana Benício, do Novo; Flávio Serafini, do PSOL; Felipe Peixoto, do PSD; e Axel Grael, do PDT. São os candidatos dos partidos com representação na Câmara dos Deputados. Allan Lyra, do PTC, foi convidado mas não compareceu à entrevista agendada. Agora, apresentamos as propostas dos outros candidatos, Renata Esteves, do PMB; Sérgio Perdigão, candidato do PSTU, inscrito à última hora, depois da impugnação da candidata Danielle Bósnia; e Tuninho Fares, da DC.


Leia entrevistas com os candidatos a Prefeito de Niterói:


Renata Esteves, PMB: investimento em saúde e educação



Candidata pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB), Renata Esteves tem como projeto inicial realizar um levantamento de toda a infraestrutura dos estabelecimentos nas áreas de saúde e educação. Ela diz que, apesar de alguns progressos, Niterói ainda tem muito a evoluir. Caso seja eleita, pretende não somente manter o programa Niterói Presente como ampliá-lo.

- Vamos equipar as forças policiais e oferecer os recursos necessários para a segurança e o bem estar destes valiosos profissionais - afirmou.


Moradora de Niterói desde os 4 anos de idade, Renata é graduada em Direito e pós-graduada em Direito Tributário. Sua primeira experiência profissional foi como estagiária no setor jurídico da Imprensa Oficial do Estado do Rio. Desde 2010, é empresária e responsável pelo escritório Esteves Advocacia.


A Seguir: Niterói: Quais são os principais projetos nas áreas de saúde e educação, caso seja eleita?


- Temos um plano de governo e estamos abertos ao diálogo com a sociedade e as entidades relacionadas às áreas da saúde e educação. Tivemos alguns avanços, mas muito ainda podemos melhorar. No primeiro momento iremos fazer um levantamento de toda a infraestrutura dos estabelecimentos de saúde e educação, realizar as intervenções e os ajustes necessários, ampliar a oferta de leitos e vagas nas escolas, modernizar e integrar o sistema de gestão.


Pretende manter o Niterói Presente?


É uma parceria com o Governo do Estado e pretendemos não só manter como ampliar para mais bairros da cidade, respeitando os dados da mancha criminal. Vamos equipar as forças policiais e oferecer os recursos necessários para a segurança e bem estar destes valiosos profissionais.


É a favor ou contra a vacinação obrigatória da Covid?


- Sou a favor da ciência e das leis. Assim que a vacina for encontrada, testada e homologada pelas autoridades de saúde, não mediremos esforços para imunizar nossa população niteroiense.


O fato de a senhora ser de um partido pequeno não dificulta alianças e a governabilidade, caso eleita?

- Temos uma equipe competente, formada por pessoas de bem e que amam Niterói. Tenho certeza que a próxima legislatura também deseja o progresso e o avanço da nossa cidade. Temos projetos e capacidade técnica para colocá-los em prática, com a ajuda da Câmara dos Vereadores. Caminharemos juntos e, em parceria, para o sucesso da nossa cidade.


Sérgio Perdigão, PSTU: pelo fortalecimento do SUS



Professor da rede estadual, Sérgio Perdigão trabalha na Escola Macedo Soares, no Barreto, em Niterói. Começou na militância em 1998 e está na luta sindical já há bastante tempo. O candidato a Prefeito de Niterói destaca que um dos projetos do PSTU é estimular a mobilização dos trabalhadores para chegar ao poder através de suas lutas, e não por eleições, que considera injustas e não resolvem os problemas dos trabalhadores.


- A questão da segurança é muito importante para a população de um modo geral, mas entendemos que este programa deveria ser totalmente reformulado, na nossa concepção - resume o candidato do PSTU, Sérgio Perdigão quando questionado sobre a possibilidade de manter o programa Niterói Presente.


Para Sérgio, o problema tem que ser resolvido pela raiz: ele defende o ataque diretamente às causas que alimentam a violência, como o desemprego e a discriminação. Além disso, acredita que o efetivo policial deve ser controlado pela população de forma democrática. Sérgio afirma que a classe trabalhadora deve decidir o futuro da cidade através dos Conselhos Populares, que deveriam ter mais poder que a Câmara dos Vereadores.


Sérgio é contra o movimento da reabertura das escolas e critica o ensino remoto, que segundo ele, contribui para a exclusão e privatização da rede de ensino, além de beneficiar os grandes empresários da área. Para ele, os profissionais da Educação Municipal também precisam ter salários e condições de trabalho adequadas e, por isso, defende um aumento do piso salarial dos professores e demais funcionários.


A Seguir: Niterói: Quais são seus principais projetos nas áreas de saúde e educação, caso seja eleito?


SÉRGIO PERDIGÃO: As principais propostas do PSTU nestas áreas estão no sentido de ampliar as redes públicas municipais de Educação e Saúde para atender à parcela da população que hoje não tem suas necessidades atendidas. Em primeiro lugar, ressaltamos que as escolas devem permanecer fechadas em defesa da vida. E não defendemos o ensino remoto, que aumenta a exclusão e acelera a privatização da educação, beneficiando os grandes empresários da área.


Segundo dados de 2019 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), Niterói tem a sexta menor rede pública de Educação entre os 92 municípios do Estado do Rio, no que se refere a creches, pré-escola e Ensino Fundamental. Temos milhares de crianças sem oportunidade de estudar. Além disso, os profissionais da Educação Municipal também precisam ter salários e condições de trabalho adequadas.


Defendemos um piso de 5 salários-mínimos para professor e de 2,5 para funcionários.

Queremos também o fortalecimento dos Conselhos Escolares e da Gestão Democrática, com maior diálogo, participação e controle pela comunidade escolar. Somos contra projetos como “Escola com mordaça”, que visa a proibir nas escolas discussões sobre temas importantes da sociedade, como o combate ao racismo, machismo, LGBTfobia e xenofobia. Da mesma forma, a educação sexual deve acontecer para que crianças e jovens possam se proteger.


Na Saúde, além da insuficiência que a Rede Municipal mostrou durante a pandemia, que só confirmou a necessidade de ampliar a rede com a incorporação do que foi ampliado ou arrendado pelo município neste período, temos um estado de precariedade escandaloso nos profissionais da saúde. Cerca de um terço é terceirizado, recebe por RPAs ou de OSs. Ampliar a rede e dar condições de trabalho e salário para os profissionais do setor também seriam prioridades.


Por fim, somos totalmente contra destinar recursos públicos para a Saúde e Educação privadas, já tão poderosas na cidade. Recursos públicos exclusivamente para Saúde e Educação públicas. Fortalecimento do SUS para melhorar cada vez mais o atendimento à população.


Pretende manter o Niterói Presente?


- A questão da segurança é muito importante para a população de um modo geral, mas entendemos que este programa deveria ser totalmente reformulado, na nossa concepção. Maior segurança e redução da violência não virão só com mais polícia. Contratar policiais em horário de folga não pode ser a solução adequada para enfrentar este problema. Precisamos agir em duas frentes: atacar diretamente as causas que alimentam a violência, como o desemprego e a discriminação, e ter um corpo de segurança policial que seja controlado pela população e seja democratizado.


Defendemos a desmilitarização da PM, o fim da criminalização das drogas e uma polícia unificada com direitos democráticos para policiais, como o de sindicalização. A Prefeitura deveria agir em conjunto com outros municípios e com o Estado no sentido de atingir estes objetivos e reformular o Programa Niterói Presente com ênfase na participação da população local na manutenção da sua segurança.


É a favor ou contra a obrigatoriedade da vacina contra Covid?


Somos amplamente favoráveis à vacina contra a Covid-19 e de sua aplicação em massa na população, inclusive por iniciativa do município, tão logo estejam disponíveis alternativas confiáveis. Não acreditamos que medidas nesse sentido venham dos governos federal e estadual, principalmente do Governo Bolsonaro, que teve uma política negacionista, anticientífica e genocida no enfrentamento da pandemia no país. Por isto temos quase 160 mil mortos no Brasil. Niterói deve agir no sentido contrário, com teste em massa e vacinação. Somos a favor ainda de que as medidas de isolamento social voltem a ser intensificadas na cidade enquanto a vacina não estiver disponível e de que as escolas só voltem a funcionar quando tivermos na situação de maior segurança. Voltar às aulas sem vacina é promover ainda mais mortes, inclusive de crianças e idosos. É só olhar para a experiência de países que voltaram às aulas sem controle da pandemia.


O fato de o senhor ser de um partido pequeno não dificulta alianças e a governabilidade, caso eleito?


- A vitória de uma candidatura como a nossa, que defende enfrentar a exploração e as opressões no capitalismo e implantar os Conselhos Populares, onde a classe trabalhadora, a população pobre e os pequenos proprietários exerçam de fato o poder na cidade, controlem 100% do orçamento e definam as medidas do governo, por si só já indicaria que a mobilização desses setores da população teria avançado muito e seria capaz de impulsionar mudanças radicais na vida da cidade. Por isto, acreditamos que, numa situação como esta, a governabilidade seria facilitada pela mobilização da população organizada. A proposta dos Conselhos Populares procura responder diretamente a isto.


Tuninho Fares, do DC: projeto para o maior complexo hospitalar do Estado



Servidor público há 57 anos, Tuninho Fares, candidato a Prefeito de Niterói pela Democracia Cristã, já exerceu diversas funções na Prefeitura, inclusive cargos de chefia e direção. Ele diz que sua experiência profissional propiciou maior conhecimento na área de administração pública. Caso eleito, Tuninho diz que seu principal projeto será um investimento grande na Saúde, com a ampliação do complexo hospitalar de modo que as pessoas sejam atendidas de acordo com a especificidade de cada caso.


Sobre o programa Niterói Presente, Tuninho diz que irá expandir sua atuação:


- O policiamento passará a ser de 24 horas, 7 dias por semana, coisa que não ocorre hoje.


Quanto à mobilidade urbana, ele afirmou que irá buscar, junto aos governos estadual e federal, apoio para implantar o metrô de interligação entre municípios. E também fala em fazer um VLT.


A Seguir: Niterói: Quais são os principais projetos nas áreas de saúde e educação, caso seja eleito?


- Na saúde iremos criar o maior complexo hospitalar do Estado do Rio onde as pessoas serão atendidas de acordo com a especificação do caso. As principais especialidades serão Oncologia, Ortopedia, Cardiologia, Pediatria, Maternidade e o Hospital do Idoso. Cada prédio terá sua especialidade. Ainda teremos um centro de imagem e de exames laboratoriais, que serão feitos em pouco tempo, pois hoje existe grande demora para exames e consultas. Isso não irá mais ocorrer. A saúde será prioridade e referência nacional. Sobre a educação, iremos implantar o ensino técnico em parceria com o SENAI e SENAC que entrarão com o know-how e o município com os investimentos para construção de escolas, contratação de profissionais e toda a estrutura necessária. Queremos abrir 5 mil vagas no ensino técnico.


Pretende manter o Niterói Presente?


TUNINHO FARES: Não só manteremos como iremos ampliar para toda a cidade, especialmente a Zona Norte e a Região Oceânica que não são bem atendidas. O horário do policiamento passará a ser de 24 horas, 7 dias por semana, o que não ocorre hoje.


É a favor ou contra a obrigatoriedade da vacina da Covid?


- A vacina tem que ter dois aspectos fundamentais. O primeiro é a segurança e depois a eficácia. Existe uma corrida comercial e política nesta questão e isso não pode ficar acima da vida humana. Quando a vacina estiver passado por todos os testes de segurança e eficácia eu serei a favor. O atual prefeito defendeu a vacinação sem que ela tivesse passado pelos testes e aprovação da Anvisa, mostrando completo desprezo pela saúde do cidadão.


O fato de o senhor ser de um partido pequeno não dificulta alianças e a governabilidade, caso eleito?


- Isso não dificulta. Teremos diálogo com a Câmara Municipal de forma republicana com foco no interesse da cidade. Nossa candidatura não tem dinheiro de empresários e de políticos corruptos e por essa razão que seremos um governo independente e de diálogo com o legislativo.