Polícia investiga 'vacina de vento' aplicada em Niterói e outras cidades do estado

Denúncia que circulou nas redes sociais: uma profissional de saúde fingia aplicar a vacina numa idosa, no drive thru do campus da UFF, no Gragoatá



A Polícia Federal decidiu abrir nesta segunda-feira (15) investigação para apurar um "golpe" relatado em Niterói e outras cidades do estado do Rio, a "vacina de vento", como está sendo chamado. A imagem circulou nas redes sociais: uma profissional de saúde teria simulado a aplicação da vacina da Covid em uma idosa, na última sexta-feira (12) no campus da UFF, no Gragoatá. Diante da repercussão, e do surgimento de outras denúncias, no Rio de Janeiro e em Petrópolis, a Polícia Civil do Rio de Janeiro abriu investigação para o suposto desvio de vacinas.


As suspeitas sempre começam quando familiares de idosos que foram se vacinar estranham o movimento feito pela pessoa que está aplicando a dose. Em um dos casos, por exemplo, o profissional de Saúde nem sequer aperta o êmbulo da seringa. Segundo nota da Polícia Civil, "se as investigações confirmarem que houve desvio de dose, ou qualquer outra irregularidade, o profissional de saúde poderá ser autuado pelo crime de peculato, que tem penas que podem chegar até a 12 anos de reclusão”.


No caso de Niterói, a Prefeitura informou que a profissional de saúde já foi identificada e afastada das atividades. Em nota, a Secretaria de Saúde do município informou que "o fato está sendo apurado e as medidas cabíveis serão tomadas". Logo após o ocorrido, a Prefeitura entrou em contato imediatamente com a família do idoso e que, no mesmo dia, uma visita foi agendada no qual um médico e uma enfermeira realizaram a aplicação da vacina de forma domiciliar.


O Jornal O Estado de São Paulo relatou que "nos últimos dias, as secretarias de Saúde de Goiânia, em Goiás, Maceió, em Alagoas, e Manaus, no Amazonas, revisaram os procedimentos para evitar falhas na aplicação de doses da vacina depois que denúncias parecidas foram feitas."