Prefeito de Búzios se diz preocupado com 'superferiado' fluminense

Alexandre Martins teme que população migre para a cidade, o que poderia agravar a crise sanitária

Barreira sanitária em Búzios. Divulgação


O anúncio do "superferiado", definido pelo Governo do Estado como forma de controlar a pandemia tem causado preocupação em autoridades dos municípios da Região dos Lagos. À CNN, o Prefeito de Búzios, Alexandre Martins, disse que teme que a cidade fique lotada nos próximos dias, o que tende a pressionar o sistema de saúde.


Leia mais: Hospitais privados de Niterói advertem que estão no limite de ocupação e pedem isolamento


Martins afirmou que o decreto que fechou as praias cariocas no último fim de semana já refletiu na ocupação de Búzios. Para ele, não adianta criar um "superferiado" sem controlar a circulação de pessoas pelo estado.


— Você não pode melhorar de um lado do estado e prejudicar de outro. Acho que deveria ser incentivado o home office e o rodízio de atividades. Para fazer uma feriadão é preciso outras ações, como a proibição de ônibus intermunicipais e também pensar em fechar muita coisa, como as praias — disse o Prefeito à CNN.


No último domingo, Alexandre Martins se reuniu com o governador em exercídio Claudio Castro, junto com os Prefeitos de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Iguaba, São Pedro da Aldeia e Casimiro de Abreu. Na pauta, estava uma solicitação para ampliação da oferta de leitos e pedido para que o estado reconsidere adotar o feriado prolongado.


A antecipação dos feriados, que passam a valer, excepcionalmente, entre 26 de março e 4 de abril, ainda precisa passar pela Assembleia Legislativa.