Prisão do músico Luiz Carlos Justino, da Grota, é revogada

Amigos e parentes dizem que o violoncelista foi preso por engano e denunciam também crime de racismo


O músico Luiz Carlos da Costa Justino, preso por engano


O maestro da Orquestra da Grota, Márcio Selles, informou na madrugada deste domingo que a prisão do violoncelista Luiz Carlos da Costa Justino, de 22 anos, foi revogada. Segundo familiares e amigos, o músico foi preso injustamente na noite de quarta-feira (2)e vítima de racismo em Niterói. Integrante da Orquestra de Cordas da Grota, uma comunidade em São Francisco, o violoncelista estava voltando de uma apresentação, com dois colegas, quando foi abordado por policiais no Centro de Niterói. Foi levado à 76 Delegacia Policial e ficou preso porque contra ele havia um um mandado de prisão, da 2ª Vara Criminal de Niterói, por roubo de celular em 2017.


Protesto: Músicos daGrota fazem ato em frente ao presídio de Benfica contra a prisão de Luiz Carlos Justino


Amigos e integrantes da orquestra dizem que ele foi acusado por engano. Na época, a vítima fez o reconhecimento por uma fotografia. Mas, segundo o processo, o crime teria ocorrido no mesmo dia e horário em que, segundo amigos e familiares, Luiz Carlos estava tocando violoncelo com o maestro da Orquestra da Grota em uma padaria da cidade.


No sábado, integrantes da Orquestra da Grota fizeram uma manifestação emocionante, com uma apresentação dos músicos, em frente à prisão em Benfica, no Rio, para onde Luiz Carlos foi levado.


Leia mais: Estudo mostra que em Niterói negros vivem 13 anos menos que os brancos

Na sexta (4), o Prefeito Rodrigo Neves usou uma rede social para pedir atenção "a esse caso grave contra um jovem niteroiense de uma comunidade de nossa cidade. Que o mais rápido possível o recurso judicial feito pelo advogado da família possa ser acolhido e que Luiz Carlos seja colocado em liberdade e a injustiça reparada", escreveu o Prefeito. No domingo cedo o prefeito voltou a escrever sobre o caso dizendo ter sido informado pelo advogado da OAB que o juiz deferiu liminar suspendendo a prisão preventiva e convertendo-a em recolhimento domiciliar.




728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.