Professora de francês de 90 anos adere às aulas virtuais em Niterói

Atualizado: Fev 8

Com 70 anos de magistério, Alcida Brant foi vacinada contra Covid no grupo prioritário e continua dando aulas, ofício que ama


Por Livia Figueiredo

Professora de francês supera os desafios para dar aula online / Foto: Reprodução


Alcida Brant tem 90 anos. Desses, 70 são de magistério e mais de 50 dedicados à Aliança Francesa. Desde 1963, a professora dá aula de francês na instituição. Apesar de já ter ministrado na unidade de Botafogo por um período, foi em Niterói que a professora construiu grande parte da sua vida profissional. Na cidade ela criou raiz e conquistou uma legião de alunos. Moradora de Icaraí, Alcida nunca poderia imaginar que a sala de aula perderia espaço para o virtual. Além de professora, é tradutora e uma enciclopédia viva da cultura e da civilização francesa.


Desde março de 2020, Alcida está dando aula online, vencendo todas as barreiras que envolvem o ensino remoto e a sua resistência às ferramentas tecnológicas. O desafio era enorme. Além das dificuldades naturais com a tecnologia, ela tem deficiência auditiva. Com a ajuda do seu filho e o suporte de um aparelho, a professora pode dar aula semanalmente sobre a história de Paris, que integra o curso de Civilização Francesa.


Aos 90 anos, já vacinada contra Covid


Apesar de já ter tomado a primeira dose da vacina contra a Covid, Alcida não sabe quando retornará para a sala de aula, mas diz estar bem mais tranquila. Mesmo assim, a professora tem cumprindo o isolamento social com rigor.


- Tomei a vacina no posto de saúde Sérgio Arouca, no Vital Brazil, por fazer parte do grupo de idosos com 90 anos ou mais. O alívio foi enorme, mas ainda assim é triste pensar que não posso retornar ao convívio social da sala de aula. Cheguei ao posto para me vacinar às 8h e só saí às 9h30. Nunca vi filas tão grandes na minha vida. Davam voltas no quarteirão.


Alcida conta que ficou parcialmente satisfeita com a organização. Ela diz que se sentiu bem recebida e segura, porém acredita que na segunda dose a organização deverá ser maior, principalmente com os portadores de deficiência.


- As pessoas falavam que ia doer. Não doeu nada. A enfermeira ainda brincou falando que eu ia tomar a vacina da rainha da Inglaterra, em referência a Oxford. Acho que as enfermeiras estavam muito bem preparadas e Niterói conseguiu vacinar boa parte dos idosos. Mas faltou uma organização mais estruturada para os cadeirantes. Espero que na segunda dose isso seja aprimorado – declarou.


Planos para a retomada das aulas presenciais só para mais tarde neste 2021. Alcida diz que tem consciência de que o processo é longo. Enquanto isso, resta a resiliência e a espera por dias melhores. Das certezas, só o encontro marcado todas as segundas-feiras à noite na plataforma Zoom com seus alunos.


Acida Brant fala francês desde a infância. Foram anos imersos na língua e na cultura francesas como aluna e professora primária. Ela se inscreveu no primeiro curso superior de língua e literatura francesas do Rio. Seu desempenho na divulgação da cultura francesa já lhe proporcionou a condecoração com as Palmes Académiques pelo governo francês.


Especialista em civilização francesa, Alcida lecionou por mais de 40 anos no Curso de Nancy da universidade francesa, onde estagiou. A partir de 2000, dedicou-se à tradução de grandes autores tais como Anna Gavalda, Alexandre Dumas, Michel Onfray, Michelle Perret, Lorànt Deutsch e Saint-Exupéry para as editoras Rocco, Paz e Terra e Nova Fronteira. Ela nunca parou de dar aulas.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.