Professores resistem, mas Niterói prepara volta às aulas na rede municipal

Sepe-Niterói diz que retomada das aulas presenciais só com vacina; Prefeitura distribui máscaras de pano e material de proteção contra a Covid


Por Livia Figueiredo

Prefeitura começa a distribuir materiais de proteção contra Covid / Foto: Divulgação


O possível retorno às aulas presenciais da rede pública continua causando discórdias entre o Sindicato dos Professores, a Prefeitura e pais. Esta semana, a Prefeitura anunciou que a Secretaria Municipal de Educação e a Fundação Municipal de Educação começaram a distribuir os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e os materiais coletivos de segurança contra o coronavírus às unidades municipais. O retorno está previsto para a segunda quinzena de março.


Segundo a Prefeitura, já foram enviados às unidades itens como álcool em gel, sabonete líquido e termômetros infravermelhos ao longo do ano passado. Além disso, mais de 66 mil máscaras de pano reutilizáveis já foram entregues. Serão distribuídos ainda tapetes sanitizantes, face shields e lixeiras com pedal. Os protocolos de segurança previstos no Plano de Retomada das Aulas incluem o distanciamento social para minimizar o contato entre as pessoas. Outra mudança é que os horários de entrada e saída serão organizados para evitar a aglomeração na porta das escolas. Além disso, os ambientes terão que ser higienizados com álcool 70% e/ou produtos sanitizantes e antissépticos e todas as unidades terão que oferecer álcool 70% para alunos e profissionais higienizarem as mãos.

Foto: Divulgação


O uso da máscara é obrigatório e cada escola deverá fornecer a quantidade adequada de máscaras de tecido de acordo com o tempo de trabalho de cada profissional. É recomendado que a máscara seja trocada a cada duas horas. Ao entrarem no ambiente escolar é necessário que todos os estudantes e funcionários passem por sanitização das mãos e calçados.


“Retorno apenas com vacina”


Devido aos elevados índices de óbitos e contágio, o Sindicato dos Professores (SEPE) afirmou, em nota, que o retorno das aulas presenciais da rede pública só será possível com a vacinação em massa dos professores.


- O governo está fazendo algumas reformas nas escolas, mas são poucas comparado ao que é realmente necessário. As condições da sala de aula hoje contribuem para a propagação da Covid. Temos ciência de que terão protocolos sanitários, mas qualquer protocolo, mesmo com as pessoas treinadas, está sujeito a falhas. A posição do sindicato é que nós não queremos perder um profissional da educação pela Covid. A nossa preocupação é com a vida não só dos profissionais de educação, como das crianças – destaca um dos coordenadores gerais do SEPE, Thiago Coqueiro


Ele diz que os professores estão trabalhando remotamente desde o ano passado e que tem tempo para o governo organizar a vacinação da rede. No entanto, o plano está se revelando ineficiente devido à demora de compra de vacinas e as poucas doses adquiridas.


- Nós estamos em uma crise institucional gigantesca com a demora do governo federal de comprar as vacinas e distribuir para os estados. Há uma pressão para a volta às aulas. Mas isso é um erro e não vamos aceitar esse erro. A conjuntura que nós estamos hoje, onde parte dos jovens e das crianças não usa máscara, e algumas sequer utilizam álcool gel, nos causa insegurança. Alguns pais já nos falaram que não vão enviar seus filhos devido à precariedade da rede pública – conclui.


Prefeitura lança pesquisa para pais e responsáveis sobre retorno das aulas


A Prefeitura de Niterói disponibilizou esta semana um link em uma rede social para auxiliar no planejamento da retomada das aulas municipais para março de 2021. O intuito é conhecer melhor a realidade das famílias. As perguntas ficarão disponíveis até o dia 28 de fevereiro na plataforma Colab e podem ser acessadas através do link: https://consultas.colab.re/retomadadasaulas. A pesquisa envolve desde a intenção de enviar as crianças para as escolas, em caso de aulas presenciais, até o uso de internet pela família.