Profissionais de educação querem vacina para a volta às aulas presenciais

Niterói tem previsão de retomada na rede municipal para a segunda quinzena de março


Por Livia Figueiredo

Foto: Reprodução da Internet


Enquanto no Rio professores da rede municipal de educação decidiram, por meio de uma assembleia online, entrar em greve contra o retorno às aulas presenciais, em Niterói também há uma mobilização nesse sentido. Profissionais de educação pressionam para que a categoria seja incluída no plano de vacinação e analisam a possibilidade de greve caso não sejam vacinados antes do retorno. Pelo calendário da Prefeitura de Niterói, a volta às aulas na rede municipal está prevista para meados de março.


As informações são do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE-Niterói).


- Os profissionais da educação estão conscientes de que se a educação municipal foi reclassificada pelo poder público como serviço essencial, a vacinação dos profissionais de educação tem que ser essencial também para que haja um retorno mais seguro. Então, caso o governo de Niterói defina uma data de retorno de atividades presenciais antes da vacinação, os profissionais de educação, reunidos em assembleia da categoria, poderão debater a possibilidade de deflagração de greve pela vida e pela vacina – afirmou a coordenadora geral do SEPE-Niterói, Marcela Almeida.


Tanto no Rio como em Niterói os profissionais de educação têm pedido a inclusão de suas categorias no grupo prioritário para a campanha de vacinação contra Covid, após a imunização de profissionais da saúde e idosos.


O calendário da rede municipal da capital prevê a volta às aulas no dia 8 de fevereiro, de forma remota, e no dia 24 de forma presencial e opcional para alunos da pré-escola até o 2º ano. Em Niterói, o retorno das aulas presenciais da rede pública não ocorrerá ainda em fevereiro. O Plano de Retomada para as aulas da Rede Municipal, organizado pela Prefeitura de Niterói, prevê 202 dias letivos, com o começo das aulas previsto para a segunda quinzena de março, e se baseia em dois possíveis cenários: com aulas no modelo remoto, de forma virtual, ou ensino híbrido, que inclui também aulas presenciais.