PT e PDT se unem São Gonçalo para formar frente ampla no Leste Fluminense

Candidato petista com vice pedetista, Gadelha lidera disputa com apoio do Prefeito Rodrigo Neves e de Quaquá

Dimas Gadelha à frente de cartaz de campanha que reúne Rodrigo Neves (à esquerda) e Quaquá (à direita), além do prefeito eleito de São Gonçalo e seu vice


Dimas Gadelha saiu do DEM para disputar pelo PT a Prefeitura de São Gonçalo. Se vencer neste domingo (29), poderá ser o embrião de uma frente ampla entre petistas e pedetistas no Leste Fluminense e outras regiões do estado. Aliança que já foi costurada e fortaleceria tanto o Prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), como o ex-prefeito de Maricá Washington Quaquá (PT), empenhados na eleição de Gadelha e em mais uma vitrine para programas sociais bem sucedidos de suas gestões.

Quaquá, vice-presidente nacional do PT, e Rodrigo Neves, liderança em ascensão no PDT, incluem nas articulações os Prefeitos eleitos Axel Grael (Niterói) e Fabiano Horta (Maricá), além de trabalharem por candidatos dos dois partidos em outros municípios do Estado. E já fazem planos conjuntos, embora não admitidos, para a eleição pelo Governo do Estado em 2022.

Segundo município mais populoso do Estado, São Gonçalo passou por administrações de PT e PDT desde a redemocratização, mas nos últimos oito anos foi governado por PR e Cidadania. Gadelha chegou na frente no primeiro turno e agora enfrenta o policial bolsonarista Capitão Nelson, do Avante. Segundo as pesquisas, o petista está na frente.

-É possível construir uma São Gonçalo mais justa, é possível melhorar a vida de todos que vivem aqui e fazer a cidade crescer para todos os moradores. Vamos trazer os melhores projetos de Maricá e de Niterói e transformar São Gonçalo – tem repetido Gadelha, reproduzindo nas promessas ideias implantadas por Quaquá e Rodrigo Neves.

Na última quarta-feira (25), uma live juntou Rodrigo Neves, Axel Grael, Fabiano Horta, Gadelha e seu vice na chapa, o pedetista Marlos Costa. Falaram da “reconstrução de São Gonçalo, com o apoio das vizinhas Niterói e Maricá”.

Quaquá, que foi internado com Covid, não participou. Mas o PT em peso tem dado as caras em São Gonçalo virtualmente. Derrotada no Rio no primeiro turno, a ex-governadora Benedita da Silva (PT) agora pede votos para Gadelha, festejado também nas redes sociais pela presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e outros líderes petistas.

-São Gonçalo terá a renovação que a cidade precisa. Com sua experiência em gestão já comprovada, somada ao acúmulo de forças com as principais lideranças das cidades vizinhas, Dimas implementará, a partir de 2021, o modo PT de governar São Gonçalo – diz Gleisi Hoffmann.

Médico sanitarista, Dimas Gadelha foi Secretário de Saúde na gestão do atual prefeito, José Luiz Nanci (Cidadania), que perdeu no primeiro turno. Em 2018, rompeu com Nanci e disputou uma vaga na Câmara dos Deputados. Convidado por Quaquá, filiou-se ao PT e agora tem chance de vencer em São Gonçalo, segundo as pesquisas, em aliança com o PDT.

Na campanha, aposta em programas sociais de Quaquá, que governou Maricá por 12 anos e criou, por exemplo, uma moeda local, a Mumbuca, um programa de renda básica que é pago com dinheiro dos royalties, movimenta negócios locais e evitou uma crise maior na cidade durante a pandemia. Em São Gonçalo, a Mumbuca vai virar Tamoio:

-A moeda Mumbuca transformou nossa vizinha Maricá. Tenho certeza que a nossa Tamoio vai transformar São Gonçalo também, dando mais dignidade e Justiça social para o povo.