São Gonçalo tem 150 mortes por Covid apenas em dezembro

Cidade chegou a sair do alerta de risco, com 30 mortes em outubro, mas em novembro foram 56 e neste mês já acumula 150 óbitos



Nos próximos dias, São Gonçalo vai registrar mil mortes por Covid. A cidade, que é a segunda mais populosa do Estado, com 1 milhão e 100 mil habitantes, assiste ao crescimento da epidemia e já enterrou 935 pessoas. Outras 28 mortes estão em observação. Apenas em dezembro, morreram 150 pessoas.


A Covid parecia estabilizada em outubro, num patamar ainda elevado de casos e mortes, um platô, como chamava os epidemiologistas, como aconteceu também em Niterói e em outras cidades brasileiras. No mês de outubro, foram registradas 30 mortes pela doença. Em novembro, os números quase dobraram, chegando a 56 mortos em 30 dia. Mas a velocidade de expansão da pandemia se acelerou mesmo neste mês de dezembro com uma média de mais de sete casos por dia. No dia 15, foram 20 óbitos em 24 horas.


Na última semana de novembro, o prefeito de São Gonçalo, José Luiz Nanci, decretou restrições para o comércio e a adoção de medidas mais rígidas a fim de conter o rápido crescimento da doença. No entanto, essas medidas de prevenção duraram apenas sete dias, não conseguiram frear a doença. Foi preciso abrir novos postos de testagem na Praça Zé Garoto. Desde a última sexta-feira (18), 669 novos casos foram confirmados no município. Foram abertos também abrir novos leitos para o atendimento do número crescente de internações - 30 leitos vgas nos Hospitais de Retaguarda Gonçalense e Franciscano Nossa Senhora das Graças.


Hoje, São Gonçalo está perto da lotação dos hospitais. Na rede pública, 80% das vagas de CTI estão ocupadas e 50%das enfermarias. Nas clínicas particulares, os 45 quartos reservados para COVID constituem 51% da capacidade total. Nas UTIs, a ocupação é de 79%.



© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.