Secretário de Niterói alerta para escassez de 'kit intubação' de pacientes Covid

Rodrigo Oliveira explicou, ainda, que a falta de materiais limita ampliação de leitos públicos e privados

Faltam medicamentos para intubar pacientes no Brasil. Reprodução


A escassez de medicamentos no mercado brasileiro para intubação de pacientes Covid não é mais uma realidade distante de Niterói. Em transmissão do gabinete de crise, na noite desta segunda-feira, o Secretário Municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, fez um alerta sobre esse problema nacional, que pode, sim, bater à porta da cidade, caso a pandemia não seja controlada.


Leia mais: 40% dos pacientes de Niterói moram em outros municípios, diz estudo


— Pessoal, é isso mesmo que eu estou falando: no brasil ja temos dificuldade de aquisição de medicamentos que sedam o paciente para ele ficar com o tubo — alertou Oliveira.


O Secretário não deu informações sobre os estoques de medicamentos do município ou dos hospitais particulares, mas afirmou que o problema e uma realidade de todo o país. A falta de insumo implica, inclusive, na limitação da capacidade de ampliar leitos nas redes pública e particular de Saúde.


— Nesse cenário, de cansaço e dificuldade de insumos da infraestrutura da Saúde, é praticamente impossível, tanto público quanto privado, ampliar o número de leitos — explicou.


Oliveira reiterou que a crise só pode ser enfrentada em dois movimentos complementares: vacinação e isolamento social. Por fim, assegurou que os indicadores de Niterói apontam para uma estabilização da pandemia, com tendência de queda, em especial das internações relacionadas à Covid.


— A situação aponta um horizonte de controle e melhoria dos indicadores em médio e longo prazo. Isso nos dá esperança.