Sindilojas Niterói propõe benefícios tributários para reduzir prejuízo de comerciantes no 'lockdown'

Sindicato afirma que empresas locais não terão como pagar os salários dos seus funcionários já no próximo dia 5 de abril


Por Livia Figueiredo

Medidas restritivas autorizam funcionamento apenas de atividades essenciais / Foto: Reprodução da internet


Após a Prefeitura de Niterói publicar medidas no Diário Oficial nesta terça feira (23), que autoriza o funcionamento apenas de atividades essenciais, pelos próximos dez dias, começando a valer a partir desta sexta-feira (26), o Sindilojas emitiu uma nota em que declara o seu descontentamento com as restrições. No comunicado, o Sindicato alega que empresas locais não terão como pagar os salários diversas atividades comerciais que estão, justamente, entre as que mais empregam na cidade.


Leia mais: Confira a lista das atividades que estão permitidas em Niterói no 'superferiado'


Neste sentido, o Sindicato dos Lojistas do Comércio de Niterói propõe uma série de benefícios tributários como forma de minimizar os danos causados às empresas e reduzir os prejuízos de comerciantes devido às novas medidas restritivas. Com esse fechamento, a Sindilojas afirma que empresas locais não terão como pagar os salários dos seus funcionários já no próximo dia 5 de abril.


- É para evitar situações assim que, independentemente de qualquer outra iniciativa da municipalidade, queremos ser ouvidos pelo prefeito Axel Grael. Todas essas são providências simples e da alçada direta da municipalidade. Estamos encaminhando solicitações similares, de âmbito estadual e federal, através da Fecomércio-RJ – destacam.


Confira as reivindicações solicitadas pela Sindilojas abaixo:

  • Mais 120 dias de prazo para pagamento de cada parcela do IPTU de 2021, sem juros nem multa;

  • Parcelamento imediato do IPTU de 2020, sem juros nem multa;

  • Envio urgente de projeto à Câmara Municipal de Niterói, impedindo o corte de água e luz nos estabelecimentos afetados, por 120 dias;

  • Prazo ampliado em 120 dias, sem juros nem multa, para o pagamento de cada cota do ISS das empresas afetadas neste período;

  • Reabertura do projeto "Empresa Cidadã", priorizando o atendimento às empresas que não foram contempladas na primeira fase.

Veja também: Quem 'furar' o decreto de restrições pode perder alvará; veja o que fecha em Niterói